Apresentação

Mazda volta a revolucionar. Conhece os novos motores SKYACTIV-X

A Mazda acaba de anunciar uma nova geração tão ou mais eficientes que os Diesel atuais. Chamam-se SKYACTIV-X.

“Os carros elétricos não são a única resposta” afirmava Robert Davis, Vice Presidente Sénior da Mazda num seminário recente. “Precisamos de trabalhar na melhor solução para os consumidores e o ambiente num objectivo comum e não num manual de instruções sobre como chegar lá”, continuou.

Davis criticava assim o suporte estatal dado aos elétricos, quer através de generosos incentivos fiscais quer através da obrigatoriedade de ter veículos 100% elétricos em certos mercados, como a Califórnia.

Não é o papel dos estados e dos reguladores providenciarem as respostas tecnológicas, mas sim, definir objectivos. Considerando a aposta política europeia no Diesel para reduzir as emissões de CO2 nas últimas duas décadas e os resultados que deu, as palavras de Robert Davis devem ser ouvidas.

“Antes de dedicarmos tempo, esforço e custos na eletrificação, estamos convencidos de que um motor de combustão interna sólido é crucial”, rematou.

Então, qual é a solução?

Não. A Mazda não fechou a porta aos elétricos e híbridos. Tal como os restantes construtores a Mazda também caminha nesse sentido. Testemunho disso foi o aprofundar de relações com a Toyota no desenvolvimento de grupos motrizes eletrificados e 100% elétricos. A título de exemplo, o primeiro elétrico da Mazda surgirá em 2019.

Mas até os elétricos estarem prontos para ocupar o palco central da indústria automóvel – tanto ao nível da relação tecnologia/custo, como comercialmente – será o “velho” motor de combustão interna que a indústria vai depender para cumprir as metas ambientais. E apesar dos mais de 100 anos de vida do motor de combustão, ainda é possível melhorá-lo.

A Mazda já o demonstrou uma vez com os motores SKYACTIV da primeira geração. Ignoraram as tendências da indústria, permanecendo naturalmente aspirados e sem redução de volume, dizendo «não» ao famigerado downsizing – ver artigo aqui. A taxa de compressão recorde (14:1) destes motores a gasolina da Mazda permitiram resultados evidentes que não se limitavam à teoria.

Agora a Mazda veio anunciar que é possível fazer ainda melhor. A segunda geração dos motores SKYACTIV a gasolina anunciam ganhos de eficiência de 20 a 30%, colocando-os ao nível dos motores Diesel.

SKYACTIV-X, gasolina tão eficiente como gasóleo

Como é possível um motor a gasolina ser tão eficiente como um Diesel? A solução resume-se a quatro letras: HCCI, que significa ignição por compressão com carga homogénea. Resumidamente, tal tecnologia permite que um motor a gasolina efetue a sua ignição sem recurso a velas de ignição. Tal como num Diesel, devido à elevada taxa de compressão, a pressão na mistura é tanta que despoleta a sua ignição.

A Mazda não é a primeira a tentar. A Daimler e a GM já o experimentaram no passado, mas nunca passou da fase de “laboratório”. A «pequena» Mazda será o primeiro construtor a colocar esta tecnologia num carro de produção, em 2019. A marca decidiu chamar-lhe SKYACTIV-X.

A diferença para outros motores que experimentaram ignição por compressão, é que o SKYACTIV-X mantém as velas de ignição. Ou seja, o motor transitará entre os dois métodos de ignição, escolhendo o mais apropriado dependendo das necessidades. Daí a denominação do sistema: SCCI ou Spark Controlled Compression Ignition.

Ou seja, em cargas baixas a ignição será efetuada por compressão, tal e qual um Diesel, e em cargas elevadas será efetuada pelas velas de ignição. Tal sistema permite elevar a taxa de compressão recorde dos atuais SKYACTIV de 14:1 para uns fenomenais 18:1. O SKYACTIV-X, segundo a Mazda, permite ter o melhor de dois mundos.

Esta mistura muito pobre de ar-combustível que é demasiado pobre para a combustão por ignição por faísca, através deste método pode queimar de forma limpa e rapidamente. Permite melhor eficiência térmica, superior economia de combustível e emissões reduzidas de óxidos de azoto (NOx).
Kiyoshi Fujiwara, Diretor Executivo na Mazda

Se até agora a Mazda tem resistido à sobrealimentação – não contando com os Diesel, apenas o 2.5 do CX-9 recorre a um turbo -, o SKYACTIV-X, por outro lado, será sobrealimentado de origem. Além da compressão por ignição, o SKYACTIV-X terá um compressor para ajudar na missão de incrementar a economia de combustível. A marca nipónica promete um motor mais disponível, com uma transição suave entre os dois métodos de ignição, com valores de binário superiores entre 10 e 30% relativamente aos SKYACTIV-G atuais.

Sustainable Zoom-Zoom 2030

O SKYACTIV-X é o maior destaque no mais recente plano de sustentabilidade da marca, que definirá a longo prazo o desenvolvimento tecnológico da marca. Entre os objectivos neste plano estão a redução geral das emissões de CO2 well-to-wheel em cerca de 50% até 2030 e 90% até 2050, relativamente a 2010.

Relativamente a segurança, veremos o conjunto de tecnologias i-ACTIVSENSE ser estendido a mais modelos. A Mazda também vai aderir às tecnologias para veículos autónomos – Mazda Co-Pilot Concept -, querendo que estas se tornem de série, em todos os seus modelos, a partir de 2025. O objectivo é o de eliminar progressivamente os acidentes de automóveis.

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos

Pub