Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Tuning

G-Power: o BMW M3 V8 precisa de mais cavalos, muito mais cavalos

A única geração de BMW M3 com motor V8 nunca foi acusada de falta de perfomance, mas a G-Power parece ter uma opinião totalmente distinta.

As gerações E90 (berlina), E92 (coupé) e E93 (cabrio) do BMW M3 destacaram-se por terem introduzido na saga M3 um V8 atmosférico, substituindo o seis cilindros em linha do E46. O destino acabaria por tornar o glorioso V8 no último dos motores atmosféricos e amante das elevadas rotações da M.

De série eram extraídos dos 4.0 litros do S65 – o seu nome de código – cerca de 420 cv às 8300 rpm e 400 Nm de binário às 3900 rpm. Números bastante convincentes, mas já sabemos como as coisas são. Há sempre quem queira mais.

Dado ainda haver imensos fãs do S65, desiludidos com os esforços da M nos mais recentes seis cilindros em linha turbo dos M3 e M4, procuram agora incrementar a performance do S65, sem no entanto, descaracterizar a “personalidade” do motor.

Os senhores da G-Power, o conhecido preparador alemão, têm a solução certa. Não haja dúvidas que a forma mais rápida de extrair mais performance de um propulsor é através da sobrealimentação. Só que a G-Power não recorreu a um par de turbos, correndo o risco de estragar a linearidade, resposta do acelerador ou a predileção por regimes elevados do S65. A preparadora recorreu, em vez disso, a um compressor.

Ou seja, é como se o S65 conhecesse uma versão “esteróides”. Mantém as características que todos apreciam do motor original, mas amplificadas, devido aos incrementos substanciais em potência e binário.

E substancial é a palavra certa. Começando pelo Stage I, o primeiro de cinco, são logo 100 cv e 100 Nm adicionais às especificações base. E continua a subir expressivamente a cada patamar, culminando no Stage III RR.

Neste patamar o BMW M3 torna-se num “monstro” com 720 cv e 650 Nm de binário, que obriga a outro tipo de alterações, como o aumento de capacidade de 4.0 para 4.5 litros.

Como dá para observar na lista abaixo, a cada patamar não só sobem os números de potência e binário como também os preços, reflectindo a profundidade das alterações efetuadas.

  • Stage I – 520 cv, 500 Nm – desde 5999€
  • Stage II – 600 cv, 570 Nm – desde 7999€
  • Stage II CS – 630 cv, 590 Nm – desde 8999€
  • Stage III RS – 680 cv, 620 Nm – desde 24 999€
  • Stage III RR – 720 cv, 650 Nm –  desde 39 950€

 

Mais artigos em Notícias