Os primeiros SUV da Honda

Não estão a ver mal. É mesmo um Honda

Não, hoje não é dia 1 de abril nem a foto é uma montagem. É mesmo um Land Rover Discovery com o símbolo da Honda. Conhece aqui o Honda Crossroad.

Blasfémia? O que faz um Land Rover Discovery com um símbolo da Honda? Apesar do sucesso atual dos SUV, onde praticamente todas as marcas automóveis têm pelo menos um SUV, importa salientar que nem sempre foi assim.

Na verdade, a Honda não é estranha ao fenómeno SUV. Os Honda HR-V e CR-V são mais que conhecidos, mas se recuarmos um par de décadas, numa altura em que SUV era um fenómeno praticamente confinado aos EUA (e por aqui o que havia eram jipes…), a marca japonesa hesitava em lançar-se no mercado com uma proposta deste tipo.

E podemos referir que, nessa altura, os jipes não eram as criaturas sensíveis de hoje em dia. Estavam preparados para enfrentar todo o tipo de terrenos e não tinham medo de riscar as jantes de 20 polegadas em pneus de baixo perfil num lancil de passeio qualquer – como os SUV atuais -, até porque não havia coisas dessas. Mas já estou a divagar…

A hesitação da Honda era compreensível. As pesquisas de mercado indicavam que os SUV cresciam em popularidade, mas o risco era elevado, assim como os custos em avançar com uma proposta própria. A melhor solução passaria por estabelecer um acordo ou parceria para diminuir os riscos e os custos.

Um Honda… Discovery

E por falar em parcerias, a Honda já possuía uma. Antes da aquisição pela BMW, a Rover e a Honda andavam de mãos dadas. Quem não se lembra dos Rover 200, 400 e 600? Todos eles derivados de carros como o Honda Civic e Accord apesar de, no geral, terem as suas próprias mecânicas. Se a parceria funcionava bem numa direção, também poderia funcionar na direção oposta.

A Rover era a proprietária da Land Rover. Esta tinha lançado em 1989 o Discovery, um modelo que se encaixava perfeitamente entre o maior e mais luxuoso Range Rover e o austero Defender, um dos “puros e duros” originais. Era o modelo perfeito para testar no mercado a receptividade a um SUV Honda.

Honda Crossroad

A marca japonesa comprou à Land Rover os direitos de vender o Discovery com o seu símbolo, rebatizou-o de Crossroad e iniciou a sua comercialização no mercado japonês. Sim, nada mais que um badge engineering. Esteve em comercialização entre 1993 e 1998, exclusivamente na carroçaria de cinco portas e equipado com o mesmo V8 a gasolina do modelo britânico. Além do Japão, o Crossroad chegou também à Nova Zelândia.

Após a compra da Rover pela BMW, o acordo entre a Honda e a marca britânica terminaria, justificando os curtos cinco anos de carreira comercial. Mas entretanto, a Honda já tinha colocado em comercialização o seu primeiro SUV desenvolvido internamente: o CR-V, apresentado em 1995.

Era uma proposta de caráter muito mais urbano, e as capacidades fora de estrada não eram, nem de perto, a prioridade. O modelo resultou de tal forma bem que já lá vão cinco gerações de sucesso contínuo.

Também não seria a última vez que veríamos o nome Crossroad. Em 2007, a marca japonesa recuperava o nome para um novo crossover, que substituiu o HR-V no Japão. Longe das capacidades ou utilitarismo do Discov… perdão, do primeiro Crossroad, era uma proposta de caráter bem mais urbano, com capacidade para sete pessoas. Apesar de poder vir equipado com tração às quatro rodas.

O Crossroad não foi o único “falso” Honda

Devem-se contar pelos dedos das mãos as marcas que não tenham recorrido a modelos de outros construtores, num qualquer período da sua existência, e que os tenham vendido como se fossem deles. Além do Crossroad, a Honda teve outro SUV na sua gama que, na realidade, era de outro fabricante.

O Honda Passport apareceu precisamente no mesmo ano que o Crossroad, em 1993, e tal como este serviu para testar a recetividade do mercado a um SUV Honda. Desta vez, foi estabelecido um acordo com a japonesa Isuzu que tinha no seu catálogo o Rodeo. O destino do Passport era o mercado norte-americano, pelo que o facto de o Rodeo ser produzido nos EUA deve ter tido pesado na decisão da Honda.

Se o Passport vos parece familiar é porque também nós o tivemos por cá. Mas não como Honda ou Isuzu, mas sim como Opel Frontera. O Isuzu Rodeo foi muitas coisas dependendo do mercado em que era comercializado. Um verdadeiro modelo global.

Ao contrário da parceria com a Rover, a relação com a Isuzu durou bastante mais tempo, prolongando-se até 2002 e permitindo até uma segunda geração. A relação terminaria após a crescente influência da GM na Isuzu, e levaria a Honda a desenvolver internamente um sucessor, o Pilot. Modelo que continua focado no mercado norte-americano e já vai na terceira geração.

 

Mais artigos em Clássicos

Os mais vistos

Pub