Apresentação

Em Portugal em novembro. Fomos conhecer o Opel Grandland X

O Opel Grandland X é o novo SUV da marca alemã para o segmento C, um dos segmentos mais disputados e que mais cresce no mercado.

O novo Opel Grandland X amplia a família X da marca alemã, da qual fazem parte o Mokka X e também o recente Crossland X. O novo SUV alemão posiciona-se no segmento C, que tem crescido expressivamente e já significa volumes anuais, na Europa, acima das 1.3 milhões de unidades. Prevê-se que este ano possa atingir 1.7 a 1.8 milhões de unidades.

Portugal foi o primeiro país a conhecer ao vivo o Grandland X, ainda que apenas de forma estática. Neste primeiro contato, foi-nos dado a conhecer o design e as principais características do novo modelo, através do Diretor de Design Adjunto da Opel, Fredrik Backman, que esteve envolvido diretamente no processo de design do novo modelo.

O Grandland X é uma declaração de design arrojada [...], robusto, mas ao mesmo tempo elegante e desportivo. [...] desportivo sem comprometer qualquer espaço interior ou conforto.

Fredrik Backman, Diretor de Design Adjunto da Opel
Fredrik Backman e Opel Grandland X
Fredrik Backman, Diretor de Design Adjunto da Opel a descrever o design do Opel Grandland X

Alemão com uma… ou duas costelas francesas

Como se sabe, tanto o Crossland X como o Grandland X são fruto do acordo elaborado entre a GM e a PSA em 2012 para o desenvolvimento conjunto de novos produtos, procurando reduzir custos. Com a compra da Opel pela PSA já este ano, estes dois modelos acabam por ser o prenúncio do que será o futuro da marca alemã, integrada do grupo PSA.

Por isso não é surpreendente descobrir que o Grandland X recorre à plataforma EMP2, de origem PSA, que equipa, entre outros, o Peugeot 3008, que será um dos seus principais rivais. Partilha com o “irmão” francês a distância entre eixos (2.675 m) e largura (1.84 m), mas é um pouco mais comprido e alto, respetivamente três centímetros (4.477 m) e um centímetro (1.636 m).

Também os motores são de origem francesa. Numa fase inicial serão apenas duas as motorizações, uma a gasolina com 1.2 litros turbo de 130 cavalos e uma Diesel com 1.6 litros e 120 cavalos. Associados a eles haverá duas caixas de velocidades, manual e automática, ambas de seis velocidades. Estão previstas mais motorizações com potências abaixo e acima destas.

Tal como o Peugeot 3008, apesar de ser um SUV, terá apenas tração dianteira. Em compensação está equipado com o sistema Grip Control, adaptando o controlo de tração a diferentes cenários, com cinco modos distintos.

Puxar pelos genes alemães

Dado a proveniência do hardware, foram grandes os esforços da Opel na diferenciação do Grandland X relativamente ao seu “irmão” francês. Os designers da marca responderam ao desafio de forma eficaz. A marca alemã aplicou, com sucesso, a sua filosofia de design – “arte escultural encontra precisão alemã” – neste modelo inédito.

A identidade Opel é clara, visível no conjunto grelha e óticas dianteiras, na lâmina lateral ou no pilar traseiro estilo flutuante. Também estão presentes o vinco longitudinal no capot e a assinatura luminosa de luzes duplas em forma de asa. O sentimento de familiaridade é grande, sem cair, no entanto, na lógica da boneca matrioska.

Fredrik Backman a descrever design do Opel Grandland X

O Grandland X consegue ter uma identidade própria, reinterpretando alguns desses elementos. O pilar C estilo flutuante é um desses exemplos, apresentando uma solução distinta de outros Opel, como o Crossland X, contribuindo para o perfil dinâmico do modelo.

As proporções estão em muito bom nível, com rodas e respetivos arcos de dimensões generosas (até 19 polegadas) e próximas dos cantos. Truques visuais foram aplicados para se percecionar um carro mais baixo e menos volumoso do que na realidade é. Por exemplo, o friso cromado que se inicia no pilar A e termina no pilar C, separa o teto (sempre em preto) da carroçaria, visualmente reduzindo a altura.

A parte inferior é tipicamente SUV, com proteções em plástico que expressam robustez. Contrasta com o volume superior, de aspeto mais dinâmico e até elegante, sobressaindo a linha de cintura vincada e ascendente.

Na traseira destaca-se a superfície negativa onde se situam as óticas, retirando peso visual ao volume traseiro, quase formando um spoiler na sua extremidade superior.

O interior é claramente Opel

Também o interior continua os temas já vistos em outros Opel. Nomeadamente a aposta em linhas horizontais, organizado por camadas, e com o ecrã tátil de até oito polegadas integrado no painel de instrumentos, ladeado pelas duas saídas de ventilação centrais.

Espaço no interior não falta, mesmo quando Fredrik Backman, com 1.86 m de altura, se sentou no banco traseiro com o banco do condutor ajustado também à sua estatura. Backman não teve problemas em encaixar no banco traseiro, com espaço de sobra para as pernas, sem haver contato com o banco da frente.

Fredrik Backman a mostrar habitabilidade traseira no Opel Grandland X

Como seria de esperar, vem profusamente equipado com os mais recentes equipamentos de segurança e conforto. De uma extensa lista destacam-se o Programador de Velocidade Adaptativo com deteção de peões e travagem automática de emergência, Alerta de Cansaço do Condutor, Assistência ao Estacionamento e Câmara 360º. Os bancos dianteiros, traseiros e o volante podem ser aquecidos, e a bagageira de accionamento elétrico pode ser aberta passando o pé por baixo do para-choques traseiro.

O sistema Opel OnStar também se encontrará presente, incluindo hotspot Wi-Fi 4G e adiciona duas novas funcionalidades: a possibilidade de reserva de hotéis e localização de parques de estacionamento.

Chega a Portugal em novembro

O Opel Grandland X será apresentado ao público durante o próximo Salão de Frankfurt, entre 14 e 24 de setembro, e tem chegada prevista ao mercado nacional durante o mês de novembro. Para já ainda não se sabe se será classe 1 nas portagens, mas segundo os responsáveis da Opel em Portugal, estão a trabalhar nesse sentido.

Opel Grandland X
Sabes responder a esta?
Qual a configuração do motor de 3.6 litros do Lotus Omega?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Lotus Omega (1990). A berlina que comia BMW’s ao pequeno-almoço

Mais artigos em Notícias