Mercedes-AMG GLS 63 caiu nas garras da Mansory. Resultado: 840 cv!

Mais uma preparação radical da Mansory, desta vez com o Mercedes-AMG GLS 63 como cobaia. E a experiência não podia ter corrido melhor.

Um motor com potência para dar e vender, um estilo desportivo e ao mesmo tempo luxuoso e lugar para 7 pessoas – não falta nada ao Mercedes-AMG GLS 63. Mas a Mansory não é da mesma opinião…

Mansory Mercedes-AMG GLS 63

A preparadora bávara preparou um pack de modificações para o SUV. A nível estético, o Mercedes-AMG GLS 63 ganhou os apêndices do costume: novos para-choques e entradas de ar, saias laterais, novo capot e um spoiler e difusor traseiros. E sem esquecer os arcos das rodas mais pronunciados, que acomodam pneus com novas jantes de 23 polegadas. Além disso, a nova suspensão pneumática permite colocar o GLS 63 cerca de 30 mm mais próximo do chão.

No interior, a Mansory apostou num volante redesenhado, estofos em pele com aplicações em fibra de carbono e pedais em alumínio. Mas sendo a performance o grande objetivo deste programa de modificações, o melhor está escondido debaixo do capot.

Cocktail explosivo: 840 cv e 1150 Nm

Equipado com o motor V8 twin-turbo de 5.5 litros, o Mercedes-AMG GLS 63 de série debita 585 cv de potência e 760 Nm de binário. Nada que não pudesse ser melhorado, na ótica da Mansory.

Mansory Mercedes-AMG GLS 63

A preparadora fez um upgrade ao motor V8 – reprogramação da centralina, novo filtro de ar, etc – que passou a debitar 840 cv e 1150 Nm. O incremento de potência traduz-se numa velocidade máxima de 295 km/h (sem o limitador eletrónico) e num sprint até aos 100 km/h abaixo dos 4.9 segundos do modelo de série – a Mansory não especifica quanto.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter