No Rali da Mongólia ao volante de um Nissan Leaf

Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

No Rali da Mongólia ao volante de um Nissan Leaf

A Plug In Adventures e a RML Group juntaram-se para criar um Nissan Leaf capaz de percorrer os 16 000 km desde o Reino Unido até à Mongólia.

Quando pensamos num carro de rali, o Nissan Leaf é muito provavelmente o último modelo que nos vem à cabeça, por todos os motivos e mais alguns: é elétrico, tem tração dianteira, … Ok, já são motivos mais que suficientes.

Isso não impediu a Plug In Adventures, uma empresa que engloba um grupo de entusiastas de veículos elétricos na Escócia, de tentar participar no Rali da Mongólia com um Nissan Leaf.

VEJAM TAMBÉM: Próximo Nissan Leaf vai ser semi-autónomo

Esta não é a estreia da Plug In Adventures nestas lides. Em abril de 2016, este grupo percorreu a North Coast 500 a bordo de um Leaf de 30kW h, um desafiante circuito de 830 km pelas montanhas da Escócia.

Quem disse que os elétricos não poderiam sair da cidade?

Não, não estamos a sugerir a aventurares-te durante milhares de quilómetros em todo-o-terreno num elétrico… Em boa verdade, o modelo em questão foi altamente modificado pela empresa de engenharia RML Group, tanto quanto um elétrico pode ser modificado para participar num rali.

Denominado Nissan Leaf AT-EV (All Terrain Electric Vehicle), esta «máquina dos ralis» foi construída sobre um Nissan Leaf (versão Acenta 30 kWh) que, de série, anuncia até 250 km de autonomia.

O carro recebeu jantes Speedline SL2 Marmora e pneus estreitos Maxsport RB3, para um melhor desempenho em estradas não pavimentadas. Placas de proteção foram soldadas à parte inferior dos triângulos de suspensão, o circuito de travagem foi duplicado, foram montadas palas de guarda-lamas e o Leaf AT-EV recebeu ainda uma proteção do cárter de 6 mm em alumínio.

Por outro lado, as barras de tejadilho modificadas fornecem uma base extra de transporte exterior e estão equipadas com uma barra de luz Lazer Triple-R 16 LED, importante nas partes mais remotas do percurso.

ESPECIAL: A Volvo é conhecida por construir automóveis seguros. Porquê?

Uma vez que o Rali da Mongólia não é uma prova cronometrada, o conforto é um fator importante neste percurso de longa distância. No interior, a área do condutor e do passageiro da frente permanece inalterada (exceto a adição de tapetes em borracha), enquanto que a fila traseira de bancos e os respetivos cintos de segurança foram totalmente removidos, contribuindo para uma redução de peso de 32 kg. A RML Group acrescentou ainda um extintor e um kit médico no espaço da bagageira.

Nissan LEAF AT-EV (All Terrain Electric Vehicle)

Chris Ramsey, fundador da Plug In Adventures, planeia realizar paragens frequentes durante a viagem para promover os benefícios dos veículos elétricos junto dos cidadãos dos países pelos quais vai passar, antes de participar no Rali da Mongólia. Um desafio para o qual está mais do que preparado:

“O Rali da Mongólia constitui a viagem mais desafiante para um veículo elétrico até hoje, mas é um desafio que temos vindo a planear há vários anos. Não só iremos enfrentar uma diminuição no número de carregadores de VE à medida que nos deslocamos para leste, mas o terreno também se torna mais difícil de navegar”.

Este Nissan Leaf AT-EV está assim pronto a percorrer os 16 000 km desde o Reino Unido até à Ásia Oriental, para participar no Rali da Mongólia, já este verão de 2017. Good luck!

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Notícias