A história do Mercedes-Benz 200D que percorreu 4.6 milhões de quilómetros

Sim, leste bem. Durante mais de duas décadas, este Mercedes-Benz 200D foi capaz de percorrer mais de 4 milhões de quilómetros.

No capítulo da fiabilidade, os modelos japoneses têm a reputação de serem bastante mais duradouros que os modelos das marcas europeias ou americanas. Contudo, os motores Diesel fabricados pela Mercedes-Benz nos anos 70 e 80 são também bons exemplos de fiabilidade, que o diga Gregorios Sachinidis.

Este empresário é dono de uma companhia de táxis em Salónica, na Grécia, e garante ter percorrido um total de 4.6 milhões de km num Mercedes-Benz 200D durante 23 anos. Comprado em 1981 na Alemanha, já com 220.000 km no contador, o carro foi utilizado como táxi 24 horas por dia, todos os dias até 2004.

O Mercedes-Benz 200D estava equipado de série com um motor W115 de quatro cilindros «despido» de eletrónica e com a injeção do motor entregue a uma bomba mecânica. Mas como devem imaginar, este feito só foi possível graças a uma manutenção rigorosa: além de várias embraiagens, amortecedores, pastilhas e discos de travão – e também muitos para-choques – Sachinidis comprou ainda dois motores adicionais, que se foram revezando com o bloco original – ao todo foram 11 as trocas de motor.

Mais do que reparações muito extensas, este blocos sofriam reparações preventivas de modo a nunca darem problemas. Nomeadamente substituição das capas das bielas e descarbonização dos componentes internos e pouco mais. Durante 23 anos foi rodar a chave e andar… andar pouco, porque a performance deste motor era terrível. Desenvolvia apenas 55 CV às 4.200 rpm e 113 Nm às 2.400 rpm. A aceleração dos 0-100 km/h demorava mais de 30 segundos!

Um feito muito interessante, tendo em consideração as condições severas em que foi alcançado, mas que poderá ter num simpático Volvo P1800 o seu maior rival – vejam aqui.

A NÃO PERDER: Volkswagen Passat GTE: um híbrido com 1114 km de autonomia

Naturalmente, este feito não passou despercebido à Mercedes-Benz. Quando soube da existência deste modelo, a marca alemã não pensou duas vezes e comprou-o ao seu proprietário. Atualmente, o carro pode ser visto em exposição na coleção permanente da Mercedes-Benz, em Estugarda.

Quanto a Gregorios Sachinidis, o empresário grego conduz atualmente um Mercedes-Benz C 200 CDI. Pronto para mais 4 milhões de quilómetros?

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Clássicos

Os mais vistos