Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Icona Vulcano Titanium: mais caro que um Bugatti Chiron

A versão de produção do desportivo com carroçaria em titânio tem apresentação marcada para o próximo mês de setembro.

É já daqui a três semanas que a marca italiana Icona vai apresentar o seu primeiro desportivo, o Vulcano Titanium. Depois de vários anos a marcar presença em todo o tipo de certames internacionais, ainda em fase de desenvolvimento, a versão de produção do desportivo italiano estreia-se no Salon Privé Concours d’Elégance, um evento que decorre em Oxfordshire, Inglaterra, de 1 a 3 de setembro. Até agora não se sabe quantas unidades serão produzidas, mas tudo indica que cada uma irá estar à venda pela “módica” quantia de 2.5 milhões de euros, mais que um Bugatti Chiron, o carro de produção mais rápido do planeta.

Mas o que torna este desportivo tão especial?

Desde 2011 que a Icona tem trabalhado arduamente para criar um superdesportivo que se destacasse pelo seu aspeto dominante e potência avassaladora. Por isso, no que toca ao design, a marca italiana inspirou-se Blackbird SR-71, o avião mais rápido do mundo. Além disso toda a carroçaria foi feita em titânio e fibra de carbono, algo inédito na indústria automóvel.

VEJAM TAMBÉM: Toyota Hilux: já conduzimos a 8ª geração

Por baixo desta carroçaria encontramos um bloco V8 de 6.2 litros com 670 cv de potência às 6.600 rpm e 840 Nm de binário, acoplado a uma transmissão automática de seis velocidades. Este motor foi desenvolvido por Claudio Lombardi e Mario Cavagnero, dois engenheiros italianos com largos anos de experiência no desporto motorizado. De acordo com a marca, as prestações são igualmente surpreendentes, mas não atingem os valores alcançados pelo Chiron. Ainda assim, o Vulcano Titanium demora apenas 2.8 segundos dos 0 aos 100 km/h, 8.8 segundos dos 0 aos 193 km/h e ultrapassa os 350 km/h de velocidade máxima. Nada mau… mas não podemos dizer o mesmo do preço.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Notícias