Nissan revela identidade do seu «Stig caseiro»

A Nissan retirou pela primeira vez o capacete do seu principal piloto de testes na Europa, internamente conhecido por The Stig.

O papel de Paul – ou The Stig – é uma das peças fundamentais no desenvolvimento de todos os novos modelos da Nissan. Sendo um dos apenas quatro condutores especialistas fora do Japão que possuem a mais elevada qualificação de condução da Nissan, Paul está encarregue de garantir que cada novo veículo é dinamicamente o mais adequado possível para as estradas e gostos dos europeus.

Nissan-1

Paul tem 20 anos de experiência na marca e por isso, reconhece instintivamente se o chassis de um novo Nissan está otimizado para ter o melhor equilíbrio entre desempenho e conforto dos passageiros. Além do mais, o Stig da Nissan consegue «despir» a pele de piloto – ou o capacete… – e pensar como um cliente típico, o que ajuda a responder à procura dos interessados nos modelos Nissan.

RELACIONADO: Vendem-se mais de 12 Nissan Qashqai por dia em Portugal

Questionado sobre o novo Nissan GT-R, a joia da coroa da marca nipónica, o piloto explica:

 Com o novo GT-R, que estará disponível para venda neste verão, o objetivo foi torná-lo o mais excitante, aderente e estável possível quando conduzido no limite, pois é isso que o proprietário de um GT-R quer.

O trabalho de Paul não é apenas retirar milésimos de segundo aos tempos de cada volta (apesar de ser muito bom a fazer isso). Tem também a responsabilidade de reproduzir a forma como os clientes da Nissan irão realmente conduzir os seus automóveis no mundo real. Explica ainda que o Qashqai e o Juke, a título de exemplo, “têm de ser o mais ágeis, estáveis e seguros possível mas, ao mesmo tempo, proporcionar conforto e flexibilidade para os compradores”.

Como se fazem os testes de desempenho de um Nissan?

Conduzo a velocidades diferentes, em diferentes posições na estrada, subindo e descendo bermas, através de trilhos com buracos, em autoestrada e em situações de para/arranca com forte congestionamento de trânsito. Para a Nissan, tem tudo a ver com a qualidade da experiência de condução. Só depois posso realmente avaliar o verdadeiro desempenho dinâmico de um automóvel e garantir que está em condições para ser conduzido por um cliente Nissan”.

Neste momento, está a trabalhar em colaboração muito próxima com os engenheiros da condução autónoma, aperfeiçoando a tecnologia ProPilot – estreia agendada para o próximo ano no Qashqai – para os clientes europeus que visa manter os elementos agradáveis da condução e eliminar algumas das partes menos agradáveis, assim como aumentar a segurança do cliente.

Nissan-3

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Notícias