Audi Q7: peso pesado, peso pluma

O Audi Q7 apresenta sistemas de auxílio à condução state of the art. Redução de peso e eficiência dos motores aumentam agilidade do Q7 em estrada. Versão a concurso equipada com um V6 TDI de 272 cv.

Quanto pesa um piano de cauda? Aproximadamente 325 quilogramas, precisamente o peso que a Audi tirou da balança nesta segunda geração do seu SUV – o Audi Q7. A redução de peso e a maior eficiência dos motores são os dois principais cartões de visita do imponente SUV da marca alemã, um dos pesos-pesados deste exclusivo segmento.

O recurso a materiais de construção mais leves, conjugado com um chassis totalmente redesenhado permitem ao Audi Q7 calibrar a agilidade e desportividade na condução, sem sacrificar o alto nível de conforto de rolamento que era apanágio da anterior geração.

O conforto e a qualidade de vida a bordo saem reforçados – o habitáculo oferece maiores cotas de habitabilidade e uma bagageira de acrescida capacidade, apesar das dimensões exteriores terem sido ligeiramente reduzidas.

O novo Q7 introduz ainda novidades nos sistemas operacionais, de informação, entretenimento e conectividade, oferecendo uma melhor e mais enriquecedora experiência de viagem para todos os ocupantes.

A NÃO PERDER: Vota no teu modelo favorito para o prémio Escolha do público no Troféu Essilor Carro do Ano 2016

Q7_Tofanaweiss_030

VEJAM TAMBÉM: A lista de candidatos ao Troféu Carro do Ano 2016

A segunda geração da plataforma modular de infoentretenimento está colocada a bordo do Q7, bem como o Audi virtual cockpit. O novo MMI com unidade de controlo all-in-touch com um touchpad de dimensões generosas facilita as operações de comando. Outras inovações a merecer destaque são os serviços do Audi connect, o Audi tablet para os passageiros do banco traseiro e os dois sistemas de som com áudio 3D.

A conectividade está assegurada pela integração com smartphone com o Google Android e o Aplle Auto Car Play.vidades.

Destaque também para o amplo portfólio de novos sistemas de assistência à condução, que inclui o cruise control adaptativo com assistente de trânsito.

Adotando o conhecido sistema quattro de tração integral que lhe garante mobilidade todo o terreno e motricidade em condições de baixa aderência, o Q7 concorre ao prémio Essilor Carro do Ano/Troféu Volante de Cristal 2016 com versão 3.0 TDI com uma potência de 272 cavalos e um consumo médio anunciado de 5,7 l/100 km. Será precisamente esta a versão que o Júri do Carro do Ano terá de avaliar na classe reservada aos Crossover do Ano.

A gama do novo e luxuoso Audi Q7 inclui ainda um motor a gasolina 3.0 TFSI de 333 cavalos. Mais tarde chegará a estrela da companhia – o Q7 e-tron quattro – a versão plug-in híbrida Diesel que anuncia consumos de 1,7 l/100 km.

Audi Q7

Texto: Prémio Essilor Carro do Ano / Troféu Volante de Cristal
Imagens: Diogo Teixeira / Razão Automóvel

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Os mais vistos