Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Alpina D3: uma espécie de M3 a gasóleo

Nasceu como BMW 335d mas foi na “igreja” da Alpina foi rebaptizado como Alpina D3. Este pequeno monstro não é o anti-cristo dos motores a gasolina, mas está programado para envergonhar alguns. Mas antes de irem buscar as forquilhas e as tochas, dou-vos a conhecer primeiro a Alpina.

A Alpina é há mais de 50 anos parceira oficial da BMW em pista e fora dela. Exclusividade e performance são os lemas desta preparadora, que usa os conhecimentos mecânicos da marca bávara e tenta extrair dos seus motores algum potencial escondido. A atenção e o cuidado aplicados nas preparações, são visíveis também no interior, nos detalhes e na qualidade dos materiais.

VEJAM TAMBÉM: BMW M235i num bailado sincronizado

A produção anual desta firma fica-se pelas 1500 unidades, onde todos os exemplares são numerados como se de uma edição limitada se tratasse. Contudo a exclusividade paga-se, e os valores praticados pela Alpina superam substancialmente os valores pedidos pela BMW.

Falando deste Alpina D3 em particular, o bloco 3 litros diesel de 6 cilindros em linha da BMW é a estrela da companhia. Este mesmo bloco serve de base a variadas versões como é caso do 30d, 35d, 40d e os M50d. Um jogo de turbos torna esta história num autêntico filme. A Alpina seguiu o exemplo e substituiu o turbo de série do 335d por dois mais pequenos.

A NÃO PERDER: Os condutores dos Smart são ruins como as cobras

Entradas de ar de maiores dimensões, um intercooler maior e uma centralina especialmente calibrada pela Alpina deram um “kick” de 32 cv e 70 Nm. O que permite meter a tremer um BMW M3 nos primeiros 50 metros, mas embora este ganhe um pouco mais de terreno, o Alpina D3 não o deixa ir embora.

O Alpina D3 debita um total de 345 cv e 700 Nm de binário, o que o faz atingir os 100Km/h em apenas 4.6 segundos e continuar a sua aceleração até aos 278Km/h, o que o torna no diesel mais rápido do mundo. O melhor é que com uma condução cuidada, a marca anuncia consumos de 5.3 l/100Km e apenas 139g/km de CO2.

Resumindo, temos aqui um modelo polivalente, civilizado e dócil e ao mesmo tempo desportivo e arrogante com os pneus traseiros. Um automóvel capaz de nos colocar um sorriso nos lábios, sem nos fazer chorar ao olhar para a carteira.

Video:

Galeria:

Mais artigos em Notícias