Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Este Ford GT40 estava esquecido debaixo de uma pilha de lixo

A sorte realmente premeia os audazes, pois o colecionador John Shaughnessy, jamais esperava dar de caras com tamanho achado: um raro Ford GT40.

Se tal como muitos colecionadores também anseiam por dar de caras com autênticos achados, seja em barracões, pilhas de sucata ou até mesmo em garagens, podem-se juntar ao nosso grupo de sonhadores. No entanto, há pessoas com mais faro para estas coisas do que outras.

Foi o caso de John Shaughnessy, um ávido colecionador de automóveis clássicos e históricos de competição, que se deparou com um magnífico Ford GT40 numa garagem californiana. Estava atulhado de lixo por todos o lados e apenas com a secção traseira com a cor cinza do primário, exposta aos olhares dos mais atentos.

Ford GT-40 mk-1 trouvaille de garage

E quando falamos do Ford GT40, todo o cuidado é pouco, pois é sabido que existem mais réplicas deste modelo icónico, tetracampeão das 24H de LeMans entre 1966 e 1969, do que as escassas unidades sobreviventes. O modelo americano envolvido numa das maiores disputas entre 2 construtores automóveis, conta com uma história caricata desde o seu nascimento até à sua afirmação na competição automóvel, onde fez a vida negra aos carros da Ferrari.

Mas afinal, estamos perante que tipo de GT40?

A hipótese de réplica está descartada desde já, pois falamos de um Ford GT40 com o chassis nº1067 e apesar de, aparentemente, lhe faltar aquele pedigree de competição, esta unidade faz parte das mais raras. Segundo a World Registry of Cobra & GT40s, este é um de apenas três Ford GT40 MkI de 66, com o painel traseiro da versão MkII de 67 e dessas mesmo 3 unidades, o único sobrevivente.

fordgt40-06

Este Ford GT40 foi uma das últimas unidades produzidas no ano de 1966 e o último a utilizar números de série Ford, todos os modelos seguintes iriam utilizar números de série da J.W. Automotive Engineering.

Sabe-se que este Ford GT40 participou em competições até 1977, mas que teve problemas de ordem mecânica. As modificações à mecânica de origem Ford, com o blocos curtos 289ci (ou seja, 4,7l da família Windsor) que receberam uma cabeça do motor preparada pela Gurney-Weslake, que aumentou a cilindrada do bloco para os 302ci (ou seja, 4,9l) e mais tarde substituídos pelo 427FE de 7l, com larga fiabilidade comprovada em NASCAR desde 1963, são algum do historial presente.

Ford GT-40 mk-1 trouvaille de garage

John Shaughnessy passou por um longo processo de licitações, mais precisamente um ano até voltar a ter o seu novo Ford GT40 CSX1067. O anterior proprietário era um bombeiro reformado, que detinha o carro desde 1975 e planeava restaurá-lo, mas o infortúnio com um problema de saúde pôs fim ao projeto.

Quando confrontado sobre qual o montante pago por tamanha pepita de ouro, literalmente encontrada no Eldorado americano, John Shaughnessy diz apenas que foi bastante caro. Para rentabilizar este achado, resta-lhe restaurar o Ford GT40 para especificações de fábrica ou para as especificações de competição dos finais dos anos 60.

Num local,(Califórnia), onde tantos desesperaram em busca de ouro, John Shaughnessy, acha um “jackpot” onde ainda assim foi necessário investir avultadamente, mas no final do dia a sorte recompensa-o com um modelo icónico cheio de história e com um valor cada vez mais apetecível no mundo dos clássicos.