Skoda Octavia RS e Break RS: Mais e melhor

Pois é, o magnífico Skoda Octavia voltou a apanhar “raiva” e já “saliva”. Tanto as versões sedan como a carrinha foram afetadas por uma doença conhecida pelas siglas «RS».

Quem se sentar ao volante do novo Skoda Octavia RS terá a garantia de várias sensações, pelo menos é essa a promessa da marca Checa. Por um lado momentos de diversão proporcionados pelo conhecido chassi MQB coadjuvado pelo não menos conhecido motor 2.0 TFSI. E claro bem-estar, proporcionado por um habitáculo bem arrumado e com uma construção marcada pelo rigor germânico.

O novo Skoda Octavia RS foi apresentado, e antes demais destaca-se uma evolução significativa na linguagem estilística da marca  e que se faz sentir principalmente na sua frente agressiva e traseira musculada onde nem um pequeno spoiler faltou.

Para além da sua aparência desportiva, existem também atitude. Mas antes de avançarmos para performances, deixem-nos apontar que existem duas motorizações 2 litros disponíveis, a gasolina e diesel que debitam respetivamente 220 e 184 cavalos. Em comparação os novos motores são 10% mais potentes e cerca de 19% mais eficientes.

Skoda-Octavia_RS (4)

Tudo graças à função Start-Stop e ao sistema de travagem regenerativa em combinação com uma caixa manual ou DSG de dupla embraiagem, ambas de 6 velocidades (vamos esquecer por momentos a perda de 100kg graças à utilização da plataforma MQB).

Agora, o melhor, as performances. O bloco 2 litros a gasolina é capaz de fazer os 0 aos 100km/h em apenas 6.8 segundos, e se o acelerador se manter numa posição quase que “horizontal” atinge os 248km/h de velocidade de ponta, superando a geração anterior em 6km/h.

Já o potente 2 litros diesel é capaz de nos levar dos 0 aos 100km/h em apenas 8.1 segundos, e atingir os 232km/h quando equipado com a caixa manual de seis relações. É também capaz de “beber” apenas 4.6l por cada 100km percorridos, ainda que para tal poupança tenham que tratar o acelerador com muito «carinho».

Mas como nem tudo o que é desportivo tem de estar necessariamente despromovido de extras, conforto ou quaisquer outras mordomias às quais já nos acostumamos, o novo Skoda Octavia RS vem agora mais luxuoso, por outras palavras, o interior melhorou substancialmente.

Skoda-Octavia_RS (22)

As portas dianteiras estão agora integradas com um sistema de iluminação para dar mais ambiente, assentos desportivos e um volante de 3 braços, ambos em pele perfurada. Manete das mudanças e o “verdadeiro” travão de mão, manual, também em pele a fazer “pandam” com os pedais e frisos em aço inoxidável. Uma bela combinação!

Quando estiverem ao volante deste Octavia de uma coisa não se vão esquecer, é que este se trata de um “RS”, não só pelo motor mas também pela siglas, que aparece 6 vezes só no interior.

Estarão disponíveis jantes de 17″, 18″ e 19″ “bi-colour” RS para equiparem o Skoda Octavia RS ao seu gosto e faróis bi-xenon com faróis LED diurnos para te iluminar o caminho. E como não podia de deixar de ser, o lema da Skoda “Simply Clever solutions”, espaços de arrumação e espaço bagageira para carregar todas aquelas «tralhas» que proliferam pelos nossos bolsos.

Skoda-Octavia_RS (18)

Também existem inúmeros extras pelos quais podem optar, entre as quais encontramos a KESSY. Não, não se trata de uma boneca insuflável mas sim o novo sistema Keyless, que permite entrar e ligar a viatura sem que necessitem tocar na chave, desde que a mesma esteja perto do carro.

Também com inúmeros sistemas de segurança como o Adaptive Cruise Assistant, que permite controlar a distância em relação ao veiculo da frente, Lane Assistant sistema que lê a faixa de rodagem e nos avisa quando transpomos os seus limites inconscientemente e muitos outros.

Também com inúmeros sistemas de segurança como o Adaptive Cruise Assistant, sistema que permite controlar a distância em relação ao veículo da frente, Lane Assistant sistema que lê a faixa de rodagem e nos avisa quando transpomos os seus limites inconscientemente e muitos outros.

Divulgação de preços e chegada a Portugal dentro em breve.

Texto: Marco Nunes