BMW pondera lançar variante CSL dos «bombásticos» M4 e M3

Sopram bons ventos de Munique… a marca bávara pondera lançar uma versão hardcore do novo M4. Será o regresso da sigla CSL ao activo?

Ainda hoje, quando ouvimos na mesma frase as siglas M e CSL juntas, temos arrepios na espinha. Os mais aficionados da marca sabem do que falo. Ninguém esquece o BMW E46 M3 CSL – acrónimo de Coupé Sport Leichtbau, ou em bom português algo como coupé desportivo de baixo peso – e que era uma versão ainda mais radical do M3 da época e limitado a somente 1400 unidades.

Entre os «goodies» do M3 CLS destacava-se o motor 3.2 de 6 cilindros que foi trabalhado para ter maior disponibilidade e potência (uns expressivos 111cv por litro) mas principalmente, destacavam-se todas as alterações efectuadas na carroçaria para baixar o peso total do modelo. Entre elas, a mais admirada foi a adopção de um tejadilho em carbono. Algo inovador para a época.

bmw m3 2014 5
Nome de código S55: a nova jóia da BMW a estrear nos novos M3 e M4 Coupé. Na versão CSL poderá ver a sua potência esticada até aos 500cv… meio milhar!

Agora o director da divisão M,  Freidrich Nitschke (não confundir com o filosofo de nome semelhante…) veio apontar durante os dias de apresentação técnica da nova geração BMW M3 e BMW M4 que a marca está a ponderar o lançamento de uma nova versão CSL. Seria soberbo.

Imaginem só o novo motor S55 3.0 twinpower turbo de seis cilindros – que vai ser estreado nos novos M e que na configuração standard já debita uns massivos 430cv às 7500 rpm, a ser puxado para valores que poderão aproximar-se dos 500cv. E agora juntem (ou subtraiam…) a esta equação um peso de apenas 1400kg, segundo Freidrich Nitschke.

Estimados administradores da BMW, se neste momento estão sentados nas vossas secretárias a ler o nosso site – como nós sabemos que fazem todos os dias… –  uma mensagem em nosso nome, e em nome de todos os leitores do RazãoAutomóvel: aprovem já o M3 e M4 CSL! Ficamos a aguardar, obrigado.

bmw m3 2014 4
Que esta equipa de testes não tenha descanso. Nunca… muitos M’s para nascer!

Texto: Guilherme Ferreira da Costa