Novo Nissan Qashqai 1.6 dCI – O último valete do baralho

Num fim de semana dedicado a máquinas oriundas do Japão, calhou-me a mim andar com um dos dois Nissan Qashqai 1.6 dCI que estiveram à porta da redação do Razão Automóvel.

Por sorte, fiquei com o mais atraente e elegante dos dois Nissan Qashqai disponíveis, o 1.6 dCI Tekna Sport em tons de Pearl White. O outro Nissan Qashqai, entregue ao Diogo Teixeira era um Nissan Qashqai +2 (7 lugares) com a mesma motorização do «meu» mas com a linha de equipamento topo de gama (Tekna Premium).

Nissan Qashqai

Mas concentremo-nos no que realmente importa, o «meu» Nissan Qashqai Pearl White. Para alguns dos nossos seguidores no Facebook foi uma decepção o facto deste ser o modelo 4×2 (tração dianteira), o interesse pelo 4×4 (tração às quatro rodas) era mais que muito. Devo confessar que se dependesse de mim, o modelo a testar seria logicamente o 4×4, até porque as minhas aventuras com este 4×2 não correram de feição.

Nissan Qashqai

Numa subida mais íngreme as rodas dianteiras simplesmente não tiveram a capacidade de responder ao desafio – parecia um bailado solitário, onde só o Qashqai não queria enfrentar os obstáculos mais complicados. Mas mantive a calma e alguns minutos depois voltei a desafiá-lo para mais um «round». A esperança no sucesso era pouca mas nada me iria demover. “Vamos lá Qashqai, tu consegues!”, pensei eu… E não é que conseguiu mesmo? Com algumas dificuldades pelo meio é certo, mas o obstáculo foi ultrapassado.

Sim, eu sei, este é um SUV Compacto construído e pensado para os grandes centros urbanos e não para árduos desafios todo-o-terreno. Talvez o 4×4 conseguisse superar estes desafios…

Nissan Qashqai 5

A insonorização do carro foi um aspecto que me deixou algo surpreendido. Segundo a marca japonesa, muitas melhorias foram feitas neste âmbito, contudo, creio que ainda terá de haver algum trabalho da marca nipónica para que o Nissan Qashqai fique melhor neste campo. O motor 1.6 DCI até é discreto, mas a elevada dimensão dos pneus aliada ao deficiente coeficiente de penetração aerodinâmica dos SUV’s faz com que a velocidades mais altas o ruído se instale mais do que seria desejável no habitáculo.

Mas nem tudo é mau, alias bem pelo contrário. O novo motor 1.6 dCI de 130 cv é, sem dúvida, um dos pontos fortes deste Nissan Qashqai. Este não só é mais poupado que o 1.5 dCI de 110 cv como ainda é menos poluente e consideravelmente mais rápido. Mas estas melhorias pagam-se, são cerca de 1.600€ de diferença entre o 1.5 dCI e o novo 1.6 dCI. Se vale a pena? No meu entender sim. Principalmente se as viagens longas com a família a bordo forem uma constante.

Nissan Qashqai

Em regimes médios chega a dar gosto ver como o Nissan Qashqai nos é capaz de deixar com um sorriso no rosto.  E muito se deve aos 320 Nm de binário máximo, valor este que começa a estar disponível desde um regime tão baixo quanto as 1.750 rpm. A aceleração dos 0-100 km/h faz-se em cerca de 10 segundos, um valor bastante simpático. A Nissan afirma que a velocidade máxima fica-se pelos 190 km/h. Embora eu não o tenha testado por razões óbvias, a alegria com que o ponteiro da velocidade avança deixa antever que esse número não andará longe da realidade.

Deixando os valores das acelerações de lado, onde o Qashqai realmente brilha é nas recuperações. O motor está sempre disponível conseguindo-se realizar ultrapassagem com bastante segurança, mesmo quando a lotação dos lugares está preenchida.

A nível de consumos também foi uma agradável surpresa. A marca anuncia 4,5 l/100 km de consumo combinado, mas isto dificilmente se consegue alcançar. Nos 500 km em que privei com este SUV registei uma média ponderada de 7,1 l/100 km. Mas tenho de confessar que a minha preocupação com os consumos foi pouca ou quase nenhuma. Se conseguirmos manter o pé longe do acelerador acredito que é possível obter um consumo médio a rondar os 6 l/100 km. De realçar ainda, que este modelo vem equipado com o sistema Star/Stop e permite-nos poupar combustível e reduzir as emissões de CO2 substancialmente em transito urbano.

Nissan Qashqai

Olhando para o habitáculo, não vejo grandes motivos de desagrado, é um bom sitio para se estar e viajar. Apenas uma nota menos positiva para os botões dos vidros eléctricos que ficam um pouco aquém da nota geral qualidade elevada dos restantes componentes. Em opção é também possível desfrutar de um tejadilho de vidro panorâmico de grandes dimensões que abrange toda a largura e comprimento do automóvel e que dá a todo o habitáculo um outro «colorido».

Nissan Qashqai

A consola central não compromete, está bem arrumada mas o design já acusa o peso dos anos. As principais características focam-se essencialmente no sistema de GPS e nas ajudas ao estacionamento.

Esta última recorre à preciosa ajuda de 4 câmaras posicionadas estrategicamente nos quatro cantos do carro (leia-se porta traseira, espelhos retrovisores laterais e no símbolo da Nissan na grelha frontal), criando assim uma visão de 360 graus à volta do veículo. As desculpas acabaram, agora só bate a estacionar quem quiser.

O conforto também está em grande plano neste Qashqai, assim como o espaço necessário para os 5 ocupantes realizarem uma média-longa viagem sem sacrificar o corpo. Não é o SUV mais confortável do mercado, mas o compromisso entre conforto e comportamento está bem conseguido. O melhor dos dois mundos.

Para um melhor e mais eficaz comportamento em curva, a Nissan instalou uma barra dianteira estabilizadora. As melhorias em relação à versão pré-facelift são perceptíveis mas volto a aconselhar uma vez mais que não abusem do acelerador nas curvas. Os 320Nm do motor 1.6 DCI chegam e sobram para incomodar e agitar todo o conjunto.

O exterior fala por si… O «meu» Nissan Qashqai é um dos mais bonito do mercado e aquelas jantes de 18 polegadas contrastam na perfeição com o Pearl White do carro. Resumindo, por 30.700€ é difícil ter melhor. E sim, esta é uma afirmação arriscada… mas se no início do teste confesso que não estava entusiasmado, no final somando todas as parcelas foi com alguma tristeza que os nossos caminhos seguiram destinos diferentes.

Nissan Qashqai
MOTOR 4 Cilindros
CILINDRADA 1598 cc
TRANSMISSÃO Manual, 6 Vel.
TRAÇÃO Dianteira
PESO 1566 kg.
POTÊNCIA 130 CV / 4000 rpm
BINÁRIO 320 NM / 1750 rpm
0-100 KM/H 10,3 seg.
VEL. MÁXIMA 190 km/h
CONSUMO 4,5 lt./ 100 km
PREÇO 30.500€

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Testes

Os mais vistos

Pub