Alfa Romeo MiTo Quadrifoglio Verde SBK: acrobático em Silverstone

A versão limitada do citadinho da Alfa Romeo, o Alfa MiTo Quadrifoglio Verde SBK, foi apresentado no Salão de Paris em 2012 e agora chegou ao mercado.

O Reino Unido já recebeu 28 das 200 unidades desta edição limitada. Para comemorar o quinto aniversário do patrocínio da Alfa Romeo no Camepeonato do Mundo de Superbike, nada melhor que um modelo exclusivo e recheado de pormenores que revelam a veia mais desportiva da marca, aliada à emoção vivida nas pistas.

No interior o equipamento é vasto e recheia o pequeno com pormenores de “gente grande” – pedais de alumínio, cruise control, ligação Bluetooth, ar condicionado bi-zona e bancos fabricados pela Sabelt com encosto de cabeça em fibra de carbono, são pormenores a destacar nesta edição especial.

Alfa_ Mito SBK _ stunt 11

Por fora, esta edição especial MiTo Quadrifoglio Verde SBK, conta com jantes de 18 polegadas, saias laterais exclusivas e um difusor traseiro. Debaixo do capot está o já conhecido motor 1.4 Multi-Air Turbo de 170cv. Pode não ser o mais potente do segmento premium dos utilitários, mas este MiTo Quadrifoglio Verde SBK, para além de muito estilo e identidade, ainda consegue cumprir o sprint do 0-100 em pouco mais de 7 seg e o ponteiro do velocímetro só pára nos 218 km/h. Os consumos anunciados colocam o MiTo Quadrifoglio Verde SBK a fazer uma média 6 litros aos 100 e a produzir 139g/km de CO2. O preço para Portugal não é conhecido, mas acreditamos que deve rondar os 27 mil euros.

Alfa_ Mito SBK _ stunt 05

Para comemorar o seu lançamento no Reino Unido, a Alfa contratou Paul Swift e Chris Walker para fazerem uma atuação acrobática (e arriscada) em Silverstone. O objectivo? Colocar o novo Alfa Romeo MiTo Quadrifoglio Verde SBK em duas rodas enquanto uma Superbike Kawasaki ZX-10R Ninja curva por baixo…uma forma diferente de comemorar este acontecimento. Gostam deste novo Alfa MiTo Quadrifoglio Verde SBK? Participem aqui ou na nossa página oficial do Facebook e deixem-nos a vossa opinião.

Texto: Diogo Teixeira