Hennessey Venom GT: “Bugatti kiss my ass!”

É reconfortante saber que do outro lado do atlântico existe um país, que apesar de todos os defeitos, sabe conservar como ninguém a liberdade e loucura das suas gentes. God Bless America!

Uma das marcas que está sobre este «protectorado de loucura» é a  Hennessey. Um construtor americano de super-desportivos com a dimensão empresarial de uma ervilha, mas que ainda assim faz por bater diariamente o «pé» aos escovadinhos e politicamente correctos construtores europeus à bela maneira americana, ou seja, com projectos que roçam a loucura! O que lhes falta em dimensão têm que sobra em vontade.

Um exemplo acabado dessa vontade e saudável loucura é o Hennessey Venom GT.

Jonh Hennessey, o mentor do marca, após o lançamento do Venom GT  – um lançamento que ao invés de ter sido feito num salão internacional, deve ter sido feito numa oficina a beber umas cervejas Budweiser… – disse, quando confrontado com o facto de a Bugatti intitular o Veyron Grand Sport Vitesse como o carro sem tejadilho mais rápido do mundo, algo como, “Bugatti kiss my ass!”.

Depois disto, não duvidamos da rapidez do Venom GT. Um projecto que tem por base um simpático e irrequieto Lotus Elise, e que no final do processo transfigurou-se numa máquina bi-turbo capaz de gerar nada mais, nada menos, que 1200cv à roda. A distância que separa o Lotus Elise do Hennessey Venon GT, é a mesma que separa um simpático escuteiro de um militar de elite.

Não acreditam? Vejam este fantástico vídeo onde o conhecido Matt Farah, da Drive, conduz em estreia mundial o Venom GT. Metam as colunas bem alto, o vídeo em ecrãn total e deixem-se levar pelo som mecânico e aterrador desta besta “red-neck”. Esperamos que gostem: