Brabus transforma aristocrático Mercedes CL600 numa besta de 800cv!

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Brabus transforma aristocrático Mercedes CL600 numa besta de 800cv!

A Brabus, responsável pelo envenenamento e transfiguração de modelos da aristocrática marca alemã Mercedes-Benz, voltou a fazer das suas. Desta feita, a vitima foi o calmo e igualmente aristocrático “tapete rolante” Mercedes CL600.

Apesar de potente, dispor de tração às rodas traseiras e apresentar-se numa configuração coupé este modelo nunca teve qualquer tipo de aspiração a ser um devorador de track-day’s ou estradas reviradas. O ambiente para o qual o Mercedes CL foi talhado são as AutoBahn’s, e o seu carácter é tudo menos explosivo.

Até hoje… porque agora, todos os proprietários deste modelo poderão recorrer aos serviços da Brabus para apimentar um pouco mais – ok… apimentar muito! – as viagens a bordo deste míssil devorador de quilómetros equipado com um motor V12. Como? Através de um kit lançado pela Brabus que faz recurso ao “modus operandi” habitual da marca: Dramatizar tudo! Desde a carroçaria, passando pelo motor e não esquecendo o interior.

Mas vamos ao que realmente interessa: o motor! A Brabus “arregaçou as mangas” e espremeu tanto quanto pôde o bloco V12, ainda que sem entrar em exageros que comprometessem a fiabilidade.

Para além de ter optimizado a gestão electrónica do motor, operou profundas alterações no coração do motor. Nomeadamente alterando a dimensão dos êmbolos, a cambota, a cabeça do motor e a ordem de explosão dos cilindros. Os turbos não foram esquecidos e foram substituídos por outras duas unidades com mais “pulmão”.

Traduzindo estas alterações em expressões numéricas, obtemos um incremento na cilindrada de 800cc – agora 6.3 litros, quando antes tinha “apenas” 5.5litros – um binários de 1.482 Nm(!) e nada mais nada menos que 800 cv!

Resultado prático? 350km/h de velocidade de ponta (limitada electronicamente!); aceleração dos 0-100km/h em 3,9seg e uns ainda mais expressivos 10.3seg. dos 0 aos 200km/h. O suficiente para enrugar o alcatrão ou para alterar a órbita da terra.

Ao nível da carroçaria contém com um body-kit relativamente discreto e com umas não-tão-discretas jantes de 21 polegadas, que terão por missão colocar no chão todo o poder de fogo deste modelo.

A suspensão também apresenta uma afinação menos dedicada ao conforto e mais preocupada com outros assuntos… Entendem onde quero chegar não é verdade?

Os travões não foram esquecidos e foram montadas umas pinças e uns discos que nada devem ficar a dever aos travões de um Boeing 747. Convém não esquecer que este modelo pesa mais de duas toneladas!

 

O interior, por seu turno, à qualidade de montagem típica da Mercedes, soma a aplicação de peças em carbono e novos forros em todo o habitáculo em pele e alcantara, emprestando a esta versão um ambiente mais desportivo.

Interessados?! As petrolíferas certamente agradecem…

Galeria:

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter