Os nossos «brinquedos» estão cada vez mais caros

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Dia Mundial da Criança

Os nossos «brinquedos» estão cada vez mais caros

É cada vez mais difícil encontrar aquilo que todos procuramos: um carro que nos diga algo por um valor adequado.

Hoje assinala-se o Dia Mundial da Criança. Uma data importante, especialmente para nós homens. É que de acordo com um estudo que li há uns anos na internet, nós só atingimos a maturidade aos 54 anos.

Não sei se é verdade ou não — não devemos confiar em tudo o que encontramos online… —, mas há algo que me custa ainda mais a acreditar: o preço que alguns automóveis estão a atingir no mercado de usados.

Não estou a falar do preço dos carros novos ou semi-novos — que também estão cada vez mais caros, devido à crise dos semicondutores, preço das matérias-primas, energia, etc.

VEJAM TAMBÉM: Também já foste esta criança

Estou a falar daquelas «máquinas» com mais de 20 ou 30 anos, que marcaram a nossa infância e/ou adolescência. Máquinas que ainda hoje continuamos a procurar em websites como este.

Hoje, talvez mais do que nunca, sonhamos novamente com estas «cápsulas do tempo».

Problema: os nossos brinquedos estão cada vez mais caros.

À medida que as amarras à nossa liberdade são cada vez maiores, todos procuramos um «escape». Um «brinquedo» para fugir da realidade, ou pelo menos, das aberturas dos noticiários que não perdem uma oportunidade de nos recordar que o mundo como o conhecemos está por um «fio».

E por sermos cada vez mais a procurar num «chaço velho» o paliativo para uma realidade cada menos amistosa, é que o preço dos nossos «brinquedos de quatro rodas» continua a aumentar.

Dou-vos o exemplo do meu Renault Twingo Mk1 Cabrio. Um carro simplíssimo, que não há muito tempo encontrava facilmente — e em bom estado… — por cerca de 1000 euros nos classificados.

Hoje é impossível. E sei de um Twingo igual ao meu que foi exportado para França por 4000 euros — desta vez não vi online, contaram-me. É que nem as lendárias Renault 4L — outrora o «jipe dos pobres» — estão a escapar.

Peugeot 106 Rallye
Nem vale a pena falar dos Peugeot 106 Rallye, Citroën AX GTI e companhia…

O mesmo acontece com os jipes. Já viram os preços que estão a pedir pelos Mitsubishi Pajero? Ou até mesmo pelos Jeep Cherokee (XJ) que há dois anos encontrávamos por 3500 euros e agora, por vezes, nem pelo dobro.

Culpados para isto? Não existem. É a lei da oferta e da procura a funcionar. Cada vez há menos «brinquedos» e cada vez há mais «crianças graúdas» a querer brincar.

Renault 4L

É uma pena que seja assim, e não é só por ficarem menos acessíveis. É que o incremento no valor destes carros está a fazer com que muitos de nós tenham receio de utilizá-los, fazer quilómetros e de os desvalorizar. Enfim, de brincar com eles.

Se quanto aos preços pouco ou nada há a fazer, quanto há utilização temos de ser corajosos e fazer como os ingleses fazem: utilizar e cuidar dos nossos carros até à exaustão. Vivê-los!

Neste Dia Mundial da Criança vamos tirar os nossos brinquedos da garagem? Pelo menos enquanto podemos. Porque há por aí uns bullies, que com base em mentiras e exageros, encontraram nos automóveis o inimigo público n.º 1.

É preciso ter cuidado. Eles não estão para brincadeiras…

Feliz Dia da Criança.

Mais artigos em Crónicas