Novo limitador de velocidade da Ford não "lê" os sinais

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Tecnologia

Novo limitador de velocidade da Ford não “lê” os sinais

Em vez de "ler" os sinais de trânsito este limitador de velocidade recorre à georreferenciação para adaptar automaticamente a velocidade.

Sempre polémico e prestes a tornar-se obrigatório o “Assistente Inteligente de Velocidade”, mais conhecido como limitador de velocidade, está já a entrar numa nova era pela «mão» da Ford.

Até agora, a maioria destes sistemas efetua a leitura dos sinais de trânsito através de uma câmara, mas a Ford prescinde desta e adota a tecnologia da georreferenciação.

Designado “Geofencing Speed Limit Control”, este sistema já está em testes na Alemanha, onde os investigadores estão a usar a Ford E-Transit para analisar o impacto dos limites de velocidade em termos de melhoria do fluxo de tráfego e de redução do risco de acidentes.

A NÃO PERDER: Portugal. País de «aceleras» ou de limites de velocidade desajustados?
FORD LIMITADOR DE VELOCIDADE 3
Segundo a Ford este sistema permitira reduzir o número de sinais de trânsito presentes nas cidades.

Os testes estendem-se a todas as zonas de 30 km/h no centro da cidade de Colónia, na Alemanha, e a zonas com limite de velocidade de 50 km/h e de 30 km/h noutros pontos da cidade.

Estes testes resultam de uma colaboração entre a equipa da Ford City Engagement, funcionários municipais das cidades de Colónia e Aachen, e engenheiros de software da Ford em Palo Alto, nos EUA.

Como funciona?

Na prática o funcionamento deste limitador de velocidade com georreferenciação é relativamente simples.

Primeiro os engenheiros da Ford desenvolveram uma tecnologia que conecta o veículo ao sistema de georreferenciação para os localizar por GPS e para troca de dados.

Depois o condutor recebe a informação do novo limite de velocidade no painel de instrumentos, levando a que o veículo reduza, automaticamente, a velocidade programada para a da respetiva zona georreferenciada.

Além de poder ser desativado pelo condutor a qualquer momento, o sistema “Geofencing Speed Limit Control” poderá permitir no futuro que o condutor crie as suas próprias zonas georreferenciadas, estabelecendo ele limites de velocidade que poderão ser tão baixos como 20 km/h.

Este sistema permite ainda a definição de forma dinâmica dos limites de velocidade, ajustando-se à existência de obras na via, à hora do dia ou de qualquer obstáculo na estrada

De acordo com a Ford, além de aumentar a segurança, permitindo aos condutores saberem qual o limite de velocidade mesmo em locais sem sinalização ou onde esta não é tão visível, este sistema permitiria ainda uma redução considerável do número de sinais de trânsito presentes nas cidades.

LEIAM TAMBÉM: Este mapa interativo permite ver onde estão os radares de Lisboa

Por fim, a Ford está ainda a estudar a utilizar a tecnologia de georreferenciação para reduzir a poluição. Como? Usando a Ford Transit Custom híbrida plug-in como exemplo, esta tecnologia faz com que o modo elétrico seja ativado automaticamente sempre que entra numa zona considerada de baixas emissões.

Algo que já vimos na BMW com a tecnologia “BMW eDrive Zones”.

Sabe responder a esta?
Em que modelo se baseava a última geração do Mazda 121?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Antes do Mazda2 Hybrid, também o Mazda 121 usou a mesma «receita»

Mais artigos em Notícias