Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Indústria

Skoda assume desenvolvimento global da MQB-A0 para o Grupo Volkswagen

Pela primeira vez, a Skoda vai ter a responsabilidade de desenvolver uma plataforma global para o Grupo Volkswagen: a MQB-A0.

A MQB-A0 é a plataforma usada atualmente por modelos do segmento B e C dentro do Grupo Volkswagen, ou seja, os Skoda Fabia, Kamiq e Scala, os Volkswagen Polo, T-Cross e Taigo, os SEAT Ibiza e Arona e o Audi A1.

Porém, foi o trabalho desenvolvido pela Skoda na adaptação da MQB-A0 para o mercado indiano, dando origem à MQB-A0-IN (e ao Skoda Kushaq, o primeiro modelo a usufruir dela), que garantiu a passagem de testemunho dos futuros desenvolvimentos desta plataforma global para o construtor checo, o que acontece pela primeira vez.

Isto significa que a próxima geração de modelos mais acessíveis do Grupo Volkswagen, para os chamados mercados emergentes — Índia, América Latina, Rússia, África e Sudeste Asiático (ASEAN) —, serão desenvolvidos pela Skoda.

VEJAM TAMBÉM: UrbanRebel Concept. “Carro de corridas” antecipa futuro elétrico urbano da CUPRA
Skoda Slavia
O Skoda Slavia, antecipado recentemente com esta vibrante camuflagem, é um sedã compacto que terá como destino o mercado indiano e recorre à mesma base do Kushaq, a MQB-A0-IN.

Muito dificilmente veremos na Europa a comercialização dos modelos que derivarão desta evolução da MQB-A0. Esta plataforma continua e continuará a ser, fundamentalmente, otimizada para receber motores de combustão interna, uma solução, pelo que temos visto, sem futuro no “velho continente” para os segmentos mais baixos do mercado.

O mesmo não acontece noutras regiões do mundo, como aquelas que referimos. Segundo os números avançados pelo Grupo Volkswagen, baseados em estudos independentes, deverá haver uma subida de 58% nas vendas de veículos novos com motores de combustão interna nos próximos 10 anos, para 7,5 milhões de unidades por ano, e até 8,5 milhões nos cinco anos seguintes.

Com o preço a ser ainda o fator mais sensível nos segmentos mais baixos destes mercados e com a eletrificação atrasada em relação a outros, como a Europa ou a China, a solução terá de passar, obrigatoriamente, por manter o motor de combustão interna.

Dado a flexibilidade que já conhecemos da MQB-A0, é de esperar que dela continuem a derivar todo o tipo de modelos: desde SUV, como o já referido Skoda Kushaq, a utilitários e pequenos familiares convencionais, como sedãs compactos (uma tipologia ainda popular na Índia e outros mercados asiáticos).

Quanto aos modelos MQB-A0 “europeus”, deverão sair progressivamente do mercado ao longo desta década com a chegada de sucessores 100% elétricos, com base na variante mais pequena da MEB que está, também, a ser desenvolvida nas instalações da marca checa em Mladá Boleslav.

Mais artigos em Notícias