Arranque a Frio

Nomes ou números? Qual a melhor forma de identificar um modelo?

Normalmente a designação dos modelos divide-se entre uma solução alfanumérica e os "vulgares" nomes. Mas qual delas perdura mais na memória?

Se há algo em que não há consenso na indústria automóvel é na melhor forma de designar os modelos. Algumas marcas recorrem apenas a números, outras a soluções alfanuméricas (combinação de números e letras) e há ainda aquelas que apenas usam nomes.

Mas afinal de contas, qual destas soluções é a mais eficaz a assegurar que a designação do modelo perdura na memória coletiva? Foi precisamente a essa pergunta que o estudo levado a cabo por uma empresa chamada Vanarama tentou responder.

Após inquirir 500 britânicos acerca de 253 modelos de 45 marcas, o estudo concluiu que os nomes perduram mais na memória coletiva que as soluções alfanuméricas, sendo um bom exemplo encontrado na Ferrari, onde modelos como o Enzo ou o California são mais facilmente recordados que os 812 ou 488.

Além desta “descoberta”, o estudo dedicou-se ainda a perceber quais os modelos mais facilmente identificados pelo público britânico nos diversos segmentos e ainda a origem dos nomes atribuídos aos carros, área onde se destacou o uso do nome de localidades, como faz há muito a SEAT.

VÊ TAMBÉM: Porque chamamos 4L ao Renault 4?

Fonte: Vanarama.


Sobre o “Arranque a Frio”. De segunda a sexta-feira na Razão Automóvel, há um “Arranque a Frio” às 8h30 da manhã. Enquanto bebes o teu café ou ganhas coragem para começar o dia, fica a par de curiosidades, factos históricos e vídeos relevantes do mundo automóvel. Tudo em menos de 200 palavras.

Sabe responder a esta?
Em que ano deixou de ser produzido o Citroën 2CV?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

O último dos… Citroën 2CV feitos “falava” português

Mais artigos em Notícias