A revisão de um Lexus LFA

Ferramentas sujas e chão pegajoso seria um pesadelo para estes senhores. Aqui trabalha-se num ambiente semelhante a um laboratório e utilizam-se… raios X?! A revisão periódica do Lexus LFA é um processo encantador por si só.

O Lexus LFA é verdadeiramente um automóvel especial. Um automóvel em que se equaciona, testa e verifica a mais ínfima peça. Talvez por isso o LFA tenha levado 10 anos a ser desenvolvido, e o resultado está à vista. Para o manter na sua melhor forma, as revisões periódicas são feitas de forma meticulosa, à boa maneira japonesa.

O processo de revisão do Lexus LFA inicia-se com a entrada do automóvel nas instalações da Toyota Motorsport GmbH (TMG) em Cologne, Alemanha. Aqui o LFA é recebido num ambiente branco, mais facilmente associado a um laboratório do que a uma oficina.

revisão LFA (8)

Sistemas vitais para a performance e bom funcionamento do LFA, como a suspensão e sistema de direção, são integralmente retirados do automóvel, desmontados, e cada uma das peças que os compõem é inspeccionada várias vezes. Os sistemas hidráulicos da suspensão são também testados visual e mecanicamente. Apesar de parecer uma tarefa relativamente simples, no Lexus LFA não é. A maioria das peças da suspensão são de difícil acesso.

VEJAM TAMBÉM: Bugatti Veyron Grand Sport Vitesse 1 de 1: Exclusividade na hora da despedida

Aliás, Peter Dresen, director da TMG, refere que a dificuldade de acesso a determinadas partes do Lexus LFA é o que torna a sua revisão num processo mais delicado: “Os princípios de manutenção são semelhantes aos de Lexus normal, no entanto é mais complicado executar determinadas tarefas e aceder a determinadas partes”. Peter refere ainda que até na revisão, o LFA tem pedigree: “Na realidade, a revisão do LFA é muito semelhante, em termos de tratamento, a um carro de competição”.

revisão LFA (6)

Como não poderia deixar de ser, os travões são um dos sistemas que merecem  mais atenção por parte dos especialistas do LFA. Os discos são examinados minuciosamente em busca de falhas na integridade do compósito de carbono e são de seguida pesados, para verificar se o desgaste cumpre os limites.

É também nos travões que a Lexus pode utilizar a sua máquina de raios X, se algum dia for necessária, coisa que até agora nunca aconteceu porque os materiais nunca (!) apresentaram falhas que assim o exigissem. Ainda no campo da travagem, a TMG faz questão de mergulhar um aparelho no circuito dos travões em busca de água no sistema.

Os paineís da carroçaria em plástico reforçado com fibra de carbono são também alvo de uma avaliação, ou não fossem um dos muitos detalhes que separa o LFA dos restantes supercarros. No caso do Lexus LFA azul das fotografias, trata-se do carro oficial da Lexus britânica que é também uma viatura de testes para jornalistas. Ao que parece, o para-choques dianteiro já contava com alguns arranhões. Nós não somos de intrigas, mas aqui na Razão Automóvel travamos dele muito melhor…

revisão LFA (3)

A revisão termina com aquilo que para a maioria dos automóveis é a revisão completa: mudança de todos os filtros e do óleo, que para o LFA é da especificação 5W50.

Quanto ao valor da revisão, a TMG não fornece dados. No entanto, suspeitamos – e é só mesmo uma suspeita… – que para um automóvel de aproximadamente 300 000€, e com a mão-de-obra de técnicos tão especializados, a revisão não seja assim tão barata.

 

 

Mais artigos em Autopédia

Os mais vistos

Pub