As 5 profissões mais estranhas da indústria automóvel

Desde o alfaiate ao sommelier. Porque nem tudo é feito através de máquinas, estas são algumas das profissões mais estranhas da indústria automóvel.

A produção em massa de automóveis é um processo complexo, não só pelos investimentos avultados, como pelo profissionais das diversas áreas envolvidos. Desde o engenheiro responsável pelas motorizações ao designer a cargo das formas da carroçaria.

A NÃO PERDER: 10 motivos porque ser mecânico é (muito!) difícil

No entanto, até chegar aos concessionários, cada modelo passa pelas mãos de muitos outros profissionais. Alguns são desconhecidos do grande público, mas com igual importância no resultado final, como acontece na SEAT. Estes são alguns exemplos.

O «escultor de argila»

Profissão: Modelador

Antes de chegar sequer às linhas de produção, durante o processo de design, cada novo modelo é esculpido em argila, inclusive à escala real. Por norma, este processo requer mais de 2 500 kg de argila e demora cerca de 10 000 horas até estar concluído. Sabe mais sobre este processo aqui.

O “alfaiate”

Profissão: Alfaiate

Em média são necessários mais de 30 metros de tecido para estofar um carro, e no caso da SEAT, tudo é feito à mão. Os padrões e a combinação de cores são pensados para se adequarem à personalidade de cada carro.

O «provador de bancos»

O objetivo é sempre o mesmo: criar o banco ideal para cada tipo de carro. E para o concretizar, é necessário experimentar um vasto tipo de materiais e estruturas capazes de se adaptar a fisionomias distintas e a temperaturas extremas. E nem o apoio para a cabeça pode ser esquecido…

O «sommelier»

Profissão: Sommelier

Não, neste caso não se trata de experimentar vários tipo de vinhos, mas sim tentar encontrar a fórmula certa para o tão desejado «cheiro a novo» dos carros acabados de sair de fábrica. Os responsáveis por esta tarefa não podem fumar ou usar perfume. Podes saber mais sobre esta profissão aqui.

O primeiro «test-driver»

Profissão: Test Driver

Por fim, após sair das linhas de produção na fábrica de Martorell, em Espanha, cada unidade é testada em estrada por uma equipa de técnicos da marca. O carro é testado a diferentes velocidades em seis tipos de piso distintos, de forma a avaliar o seu comportamento. Neste processo é também testada a buzina, os travões e o sistema de iluminação.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Pub