Stefan Bellof, o Porsche 956 e a volta mais rápida de sempre no Nurbürgring

14/03/2017
4.709 views
PUB
Share Button

Há mais de 30 anos, um jovem piloto de seu nome Stefan Bellof estabeleceu o recorde absoluto do «Inferno Verde». Um recorde já com três décadas e que dificilmente algum dia será batido.

Estávamos a 28 de maio de 1983. Decorria a qualificação dos 1000 km de Nurbürgring, a primeira (e única) vez que esta prova foi disputada na atual configuração Nordschleife.

Os carros inscritos nos 1000 km de Nurbürgring de 1983 eram particularmente rápidos, mas havia um que se destacava: Porsche 956. Equipado com um motor «flat-six» de 2.65 litros de capacidade, o Porsche 956 debitava mais de 620 cv de potência. Em termos aerodinâmicos, tal como os Fórmula 1 dessa época, o Porsche 956 recorria à mais recente pérola aerodinâmica daquele tempo: o efeito solo. Resultado: índices de downforce elevadíssimos e velocidades em curva excepcionais.

Uma grande ajuda na luta contra o cronómetro mas um desafio adicional em termos de pilotagem, especialmente num circuito com tantas irregularidades no asfalto. A cada depressão ou lomba no asfalto, o carro ganhava e perdia downforce, fazendo variar a velocidade. Só para superhomens…

A NÃO PERDER: Este é carro de produção mais rápido no Nürburgring

Ao volante do Porsche 956 estava o alemão Stefan Bellof, então com 25 anos, que aproveitou da melhor forma a excelente afinação do carro e as condições atmosféricas perfeitas nesse dia. Numa volta quase sem erros, Bellof parou o cronómetro nos 6:11.13 minutos, quase 30 segundos mais rápido que o campeão mundial de Fórmula 1 Keke Rosberg. Apesar do tempo «canhão», Stefan Bellof admitiu pouco depois que não fez uma volta perfeita.

“Podia ter conseguido um tempo mais rápido. Cometi dois erros”.

O anos de 1983 foi o último ano em que esta categoria pode correr nesta configuração do Nurbürgring, o que significa que dificilmente este recorde será superado. Recordem bem este número: 6:11.13 minutos.

Quanto a Stefan Bellof, jovem promessa do automobilismo, acabou por falecer num acidente em Spa-Francorchamps, dois anos mais tarde. Um piloto que partiu cedo demais e que continua a preencher o imaginário dos aficionados pelo desporto motorizado.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter