EA211 TSI Evo: Volkswagen na dianteira da tecnologia «turbo»

03/02/2017
12.329 views
Share Button

É o primeiro motor a gasolina turboalimentado de 1.5 litros a recorrer a um turbo de geometria variável.

A Volkswagen apresentou no último Simpósio de Motores de Viena – certame dedicado às inovações tecnológicas neste campo da engenharia – o novo EA211 TSI Evo: o primeiro motor a gasolina turboalimentado  de 1.5L com turbo de geometria variável. Uma solução que já conhecemos de outro modelo (de outro campeonato…), o Porsche 718 Cayman/Boxster S.

A marca alemã anunciou que vai estar disponível, numa primeira fase, em dois patamares de potência: 129cv e 148cv. O primeiro modelo do Grupo Volkswagen a receber este novo motor EA211 TSI Evo, será o Volkswagen Golf – modelo que nós vamos testar em primeira mão ainda este mês.

RELACIONADO: Como funciona o sistema o sistema de desativação de cilindros? Descobre aqui

Comparativamente ao 1.4 TSI de 123cv, este motor é 10% mais eficiente, tanto nos consumos como nas emissões. Para além do já referido turbo de geometria variável, parte do ganho deste motor em termos de eficiência deve-se ao sistema de desativação de cilindros e à adopção de um ciclo de combustão Miller com uma taxa de compressão mais elevada – o binário máximo está disponível logo às 1.300RPM (ver imagem).

EA211 TSI Evo 3

Há muito usados nos motores Diesel, só agora é que os turbos de geometria variável começam a massificar-se nas motorizações a gasolina – recordamos que o primeiro modelo a gasolina a recorrer a esta tecnologia foi o Porsche 911 Turbo (geração 997) em 2006.

O que são turbos de geometria variável?

Tal como o próprio nome indica, os turbos de geometria variável (TGV) diferenciam-se dos turbos convencionais (de geometria fixa) devido à possibilidade de ajuste contínuo das pás da turbina. Graças a este movimento é possível otimizar o fluxo de gases num regime de rotações mais amplo.

Porque é que só agora é que os TGV chegam aos motores a gasolina?

Nos motores a gasolina, a implementação dos TGV tem sido mais difícil devido à temperatura superior dos gases de escape face aos motores a Diesel. Até agora, para implementar TGV’s nas motorizações a gasolina era necessário recorrer a ligas metálicas dispendiosas, que tornavam o custo desta solução muito cara para carros «comuns». Ao que parece, a Volkswagen encontrou a solução para este problema.

EA211 TSI Evo 1

EA211 TSI Evo 2

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Diretor Editorial e co-fundador da Razão Automóvel. Tem 29 anos, ama os automóveis mas tem uma paixão secreta: as duas rodas! Praticante de todo-o-terreno, iniciou-se nas lides da condução aos comandos de um Citroen Ax. Não resiste a umas boas curvas, seja no asfalto ou numa folha de papel.