Para que serve o volante bimassa?

29/12/2016
24.066 views
Share Button

Na Autopédia da Razão Automóvel tentamos desmistificar os conceitos mais técnicos do mundo automóvel. Hoje o assunto é: volantes bimassa.

Sabias que atualmente o motor de um em cada dois automóveis está equipado com volante bimassa? Apesar de regra geral, já todos terem ouvido falar dos volantes bimassa (nem que seja pelos piores motivos…), a verdade é que nem todos sabem quais são as suas vantagens face aos volantes convencionais.

Mas antes aprofundarmos as questões relativas aos volantes bimassa, convém responder à seguinte questão: para que serve afinal o volante do motor? Seja ele bimassa ou convencional.

O volante do motor – seja de que tipo for – serve para manter o equilíbrio das massas do motor nos intervalos das explosões dos cilindros. Graças ao peso deste componente, nos momentos «mortos» das ordens de explosão, o motor continua a girar sem vibrações ou hesitações. Outra das funções do volante é transmitir a força gerada pelo motor à transmissão, já que na sua superfície de contacto do volante temos o sistema de embraiagem que transmite o trabalho produzido pelo motor à transmissão.

RELACIONADO: A cilindrada dos motores (quase) nunca é exacta. Porquê?

Sendo assim, como podes constatar, os volantes bimassa têm exactamente a mesma função dos volantes convencionais. A diferença entre ambos está no seu desempenho. Nos volantes bimassa, graças à presença de duas massas suspensas, o volante consegue anular de forma mais eficiente a transmissão das vibrações do motor à transmissão. Efeito prático: o funcionamento do automóvel é mais suave.

Ainda com dúvidas? Este vídeo vai ajudar-te:

Aprofundando um pouco mais o assunto, sabias que nos carros de competição o volante do motor é mais leve que nos carros de produção? O motivo é simples: quanto menor for a massa móvel do motor, mais rápida é a subida de rotação.

Já nos carros de produção, como dissemos, o volante do motor é mais pesado. O regime normal de rotação de um carro no dia-a-dia, situa-se entre as 1.000 e as 3.000 rpm, e a presença do volante do motor mais pesado ajuda a equilibrar os movimentos do motor, principalmente nos regimes mais baixos.

A NÃO PERDER: O meu carro entrou em “autocombustão”: como parar o motor?

Há quem decida trocar o volante do motor de origem por um volante mais leve. Se o objetivo é prepares o teu carro para track-days, é uma boa opção, caso contrário desaconselhamos essa modificação. O motor do teu carro vai perder binário e disponibilidade a baixa rotações e vais acelerar o desgaste dos componentes internos do motor.

Fonte: Revista Pós-Venda

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Tags

Diretor Editorial e co-fundador da Razão Automóvel. Tem 29 anos, ama os automóveis mas tem uma paixão secreta: as duas rodas! Praticante de todo-o-terreno, iniciou-se nas lides da condução aos comandos de um Citroen Ax. Não resiste a umas boas curvas, seja no asfalto ou numa folha de papel.