Citroën C3 WRC: o ataque francês ao Mundial de Ralis

O novo C3 WRC simboliza o regresso oficial da Citroën a uma competição em que detém 96 vitórias e 8 títulos mundiais.

A temporada de 2017 do WRC ainda nem sequer começou, mas é seguro dizer que ficará marcada pela entrada em cena de uma nova geração de carros, concebidos para serem os mais eficientes e mais espetaculares jamais vistos no Mundial de Ralis. Depois do Hyundai i20, Toyota Yaris e Ford Fiesta, chegou a vez do Citroën C3 WRC se juntar à festa, aproveitando ao máximo os novos regulamentos.

Em relação ao protótipo apresentado em Paris, pouco ou nada muda no Citroën C3 WRC que vai alinhar na próxima temporada. A relação peso/potência é de 3,1 kg/cv, contra os 3,8 kg/cv do seu antecessor. De acordo com a marca, este ganho de eficácia que não é meramente um questão de números, pois as vias mais alargadas, os apêndices aerodinâmicos e a transmissão integral, agora equipada com um diferencial central pilotado, são alguns dos elementos que contribuem para esta mutação tecnológica.

A NÃO PERDER: Sébastien Ogier mostra como se evitam acidentes no WRC

Ao longo deste ano, o Citroën C3 WRC foi acumulando sessões de testes num total de 9 500 quilómetros percorridos.

“Como é habitual no desporto automóvel, trabalhámos com prazos muito apertados tanto na conceção como no desenvolvimento do carro. Logo desde os primeiros testes tivemos a satisfação de constatar que era um carro bem nascido. Não houve problemas de maior e os pilotos mostraram-se encantados com o seu comportamento. Ao chegar a hora do veredito, que é a entrada em competição, vamos com o sentimento de que fizemos um bom trabalho, mas não é possível termos todas as certezas. Qualquer alteração aos regulamentos implica uma total redefinição dos planos, para além de que somos humildes face aos nossos concorrentes.”

Laurent Fregosi, Diretor Técnico

Para os responsáveis da Citroën Racing, o bloco 1.6 litros de quatro cilindros que equipa o C3 WRC é o “melhor motor jamais concebido pelos engenheiros da marca”, beneficiando ao máximo da alteração dos regulamentos. A maior performance aguardada para 2017 é explicada pela alteração do restritor de admissão de ar do turbocompressor, que passa de 33 para 36 mm. O aumento de potência é de cerca de 20%, chegando agora aos 380 cv. Em contrapartida, a limitação da pressão do turbo nos 2,5 bar não permite aumentar o binário, que se mantém em cerca de 400 Nm.

VEJAM TAMBÉM: Citroën Cxperience Concept: uma amostra do futuro

Entre as novidades mais significativas do C3 WRC está também a suspensão, que foi alvo de uma profunda revisão. Os conjuntos mola/amortecedor apresentam-se agora inclinados, de forma a aumentar o seu curso – a geometria da suspensão passa também a ser diferente entre as versões de asfalto e de terra.

Aos comandos do novo Citroën C3 WRC vão estar os pilotos Kris Meeke, Craig Breen, Stéphane Lefebvre e Sheikh Khalid Al Qassimi. A temporada 2017 do Campeonato Mundial de Ralis arranca no dia 19 de janeiro com o Rali de Monte-Carlo.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Pub