7 automóveis que receberam motores de Fórmula 1

Quando os motores mais evoluídos do mundo deixam os monolugares e abraçam outras carroçarias.

Basta o dinheiro não ser um problema e existir muita imaginação, para nascerem máquinas capazes de nos fazer sonhar. Nesta lista há modelos para todos os gostos. Desde carrinhas comerciais a supercarros, sem esquecer um monovolume muito especial…

Reunimos 7 modelos equipados com motores oriundos da Fórmula 1 e esperamos que esta lista continue a crescer nos próximos anos.

Fica com a lista:

Renault Espace F1

A Renault Espace F1 é o resultado de uma aliança entre a Renault e a Williams para celebrar os 10 anos da Espace – recordamos que na década de 90, era a Renault que fornecia os motores à equipa de Fórmula 1 da Williams. Da Espace de segunda geração só sobraram as formas da carroçaria. O resto ficava a dever mais a um verdadeiro Fórmula 1 do que a um carro familiar.

O motor usado foi o V10 3.5 do FW15C Renault-Williams. Graças a este motor, a Renault Espace F1 desenvolvia uns expressivos 820 cv de potência. O motor encontrava-se montado entre os dois bancos traseiros, à vista de todos. sem nenhum tipo de isolamento.

Relacionado: Conhece o procedimento de arranque do motor da Renault Espace F1

Ainda hoje as performances do Renault Espace F1 conseguem rivalizar com qualquer supercarro:  dos 0 aos 100 km/h em apenas 2,8 segundos e uma velocidade máxima de 312 km/h.

Alfa Romeo 164 Procar

Viva Itália! Isto sim é um verdadeiro sleeper. Dos esforços conjuntos da Brabham e da marca italiana nascia em 1988 o Alfa Romeo 164 Procar. Um modelo que debaixo de uma carroçaria muito próxima do modelo de produção escondia um verdadeiro Fórmula 1.

Removendo a secção traseira, ficava à mostra o belo motor V10 3.5 litros de 608 cv – desenvolvido originalmente para equipar os monolugares da Ligier no Mundial de F1.

A Alfa Romeo pretendia, com este modelo, suceder à BMW no campeonato monomarca Procar, onde a marca alemã fez correr o BMW M1. À semelhança do passado, o campeonato Procar deveria servir de evento de apoio aos fins de semana de Fórmula 1, porém o Alfa Romeo 164 Procar nunca chegou a correr.

Em termos de performances, o 164 Procar precisava apenas de 2,8 segundos para atingir os 100km/h e atingia os 349 km/h de velocidade máxima.

Lexus LFA

É o primeiro modelo “normal” desta lista. Tão normal quanto se possa considerar “normal” equipar um carro de produção (limitada) com um motor nascido diretamente da Fórmula 1, numa altura em que a Toyota ainda corria na categoria máxima do desporto motorizado.

Mais do que a performance, era o som emitido pelo motor V10 de 4.8 litros e 560 cv que impressionava. Um motor altamente melodioso, capaz de atingir as 9.000 rpm! Este superdesportivo japonês atingia os 100km/h em apenas 3,6 segundos e alcançava os 325 km/h de velocidade máxima.

Ferrari F50

Sucessor do histórico e aclamado Ferrari F40, o Ferrari F50 não conseguiu fazer esquecer o seu antecessor, culpa das proporções gerais da sua carroçaria – apesar de tudo e olhando hoje para as suas formas, podemos dizer que o F50 até envelheceu bem.

Falando do motor, o V12 4.7 litros que equipava o F50 derivava diretamente do Ferrari 641 – o monolugar que competiu em 1990 pela scuderia italiana. No Ferrari F50 este motor debitava 520 cv e era capaz de cumprir os 0-100 km/h em apenas 3,7 segundos. Regime de rotação máximo? 8.500 rpm.

Além do motor, o Ferrar F50 contava com suspensão do tipo pushrod, a mesma configuração utilizada nos monolugares da Fórmula 1.

Ford Supervan 3

É isto que acontece quando deixas um veículo comercial acasalar com um monolugar de Fórmula 1. Furgão da parte do pai, monolugar da parte da mãe. Uma combinação que a Ford já tinha experimentado mais vezes ao longo da história, com outras gerações da Ford Transit – vê aqui.

O motor era um Cosworth HB V8 de 3,5 litros derivado da F1 com aproximadamente 650 cv a 13.500 rpm.

Porsche Carrera GT

Para nós, é o último supercarro verdadeiramente analógico. O último de uma espécie já extinta e que mereceu toda a nossa atenção neste artigo.

Dono de um som inebriante, o Carrera GT foi o herdeiro do motor V10 que a Porsche desenvolveu na década de 90 para a equipa de Fórmula 1 Footwork. Em 1999, este mesmo motor deveria ter sido utilizado nas 24 Horas de Le Mans, porém, mudanças no regulamento em Le Mans trocaram as voltas à marca alemã.

O motor foi colocado numa gaveta e a Porsche dedicou-se de corpo e alma ao desenvolvimento de algo totalmente diferente… o Porsche Cayenne! O primeiro SUV da marca.

Foi graças ao sucesso comercial do Cayenne que a Porsche conseguiu reunir os meios financeiros necessários para desenvolver o Carrera GT. O projeto saiu da gaveta e o resultado está à vista: um dos melhores supercarros da história.

Aston Martin AM-RB

Em julho deste ano, a Aston Martin divulgou os primeiros detalhes do AM-RB 001 – um hipercarro que está a ser desenvolvido em parceira entre a Aston Martin e a equipa de Fórmula 1 da Red Bull. As iniciais do modelo (AM-RB) fazem referência ao nome das duas marcas.

Quanto às especificações, são de cortar a respiração. Será equipado com um motor V12 naturalmente aspirado e sem qualquer tipo de auxílio elétrico (devido ao peso das baterias). Graças a esta opção, o AM-RB 001 promete ter uma das melhores relações peso-potência da história, alcançando a marca de 1 kg para cada cv. Podes conhecer todos os detalhes do AM-RB 001 neste artigo.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Pub