É oficial: McLaren F1 vai regressar

18/11/2016
3.200 views
Share Button

A McLaren garante que o seu novo desportivo será o primeiro «Hyper-GT» do mundo e o mais trabalhado e luxuoso modelo da marca até à data.

Após uma série de avanços e recuos, parece que afinal o lendário McLaren F1 vai mesmo regressar. A marca britânica confirmou que está a trabalhar no projeto BP23, um modelo que se inspira na configuração de três lugares – com o condutor em posição central – do McLaren F1.

Tal como o modelo lançado em 1993, este desportivo vai contar com portas “borboleta”, que pela primeira vez terão um sistema de abertura mais amplo que se estende até ao tejadilho.

Segundo a McLaren, o novo desportivo terá uma motorização híbrida (possivelmente aproveitando componentes do McLaren P1) e uma carroçaria em fibra de carbono “elegante e aerodinâmica”. Mas de acordo com Mike Flewitt, CEO da marca britânica, além das performances, o conforto vai ser também uma das prioridades para a McLaren:

“Demos-lhe o nome de Hyper-GT porque é um carro pensado para percursos mais longos com até três pessoas a bordo, mas sempre com os altos níveis de performance e dinâmica que se esperam de qualquer McLaren. A motorização híbrida será uma das mais potentes até à data e o carro será altamente refinado”.

mclaren-f1

O projeto será confiado ao departamento de personalização da marca, a McLaren Special Operations, que já começou a trabalhar no design, apontando as primeiras entregas para 2019. A produção é limitada às 106 unidades, o mesmo número de McLaren F1 que saíram da fábrica de Woking, no Reino Unido. Quanto ao preço, ainda não há qualquer confirmação, mas para quem estiver interessado no sucessor do McLaren F1, temos más notícias: as 106 unidades já estão reservadas.

A NÃO PERDER: A bordo do McLaren F1 GTR nas 4 Horas de Anderstorp

Recordamos que quando foi lançado, o McLaren F1 destacava-se não só pela sua panóplia de tecnologias pioneiras na indústria automóvel (foi o primeiro carro de estrada a recorrer a um chassis em fibra de carbono) mas também pelo motor atmosférico V12 de 6.1 litros, capaz de debitar 640cv de potência máxima. De facto, durante algum tempo o McLaren F1 foi considerado o carro de produção mais rápido do planeta. Conseguirá a McLaren repetir o feito?

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter