Mitsubishi Space Star com caixa CVT: vale a pena?

O novo Mitsubishi Space Star ganhou um design mais jovem e novos conteúdos tecnológicos que prometem colocá-lo como uma das referências no segmento.

Não, este novo modelo não veio dar lugar a uma nova versão do popular monovolume que caiu na graça dos consumidores, apesar de partilharem o mesmo nome. Veio sim substituir o Colt, tornando-se mais pequeno por fora e bem maior por dentro. Será possível? Sim, a marca nipónica conseguiu essa ‘magia’.

Pequeno por fora, grande por dentro

Inserido num segmento onde cada vez mais a personalização do carro pode tornar-se uma tarefa árdua, a Mitsubishi simplificou-a. Deixou de fora as combinações de cores, capotas de lona e infinitos jogos de jantes para a concorrência, e focou-se no que realmente interessa: tornar o novo Space Star pequeno por fora – 3795mm comprimento, pouco mais de metro e meio de altura e 1665mm de largura – e grande por dentro.

Então afinal, o que é que ‘ele’ tem que os ‘outros’ não tem? Cinco lugares. O Mitsubishi Space Star consegue transportar cinco pessoas. Somente o Opel Karl consegue fazer-lhe frente neste particular.

Mitsubishi Space Star-5

O que importa é o interior

Os bancos apresentam um novo formato, garantindo assim uma melhor ergonomia – mas, para tiradas mais longas, provocam algum desconforto – a insonorizarão do habitáculo também foi melhorada. As novidades tecnológicas prometem colocá-lo como uma das referências no segmento, fruto da inclusão do sistema de infoentretenimento MGN (compatível com iOS e Android), chave inteligente KOS, volante multi-funções, botão start-stop (à esquerda, como se de um Porsche se tratasse) e diversos equipamentos de segurança (6 airbags, ABS e ESP). Sensores de estacionamento e câmara traseira para auxilio das manobras, estão disponíveis como extra.

Nota ainda para o espaço disponível a bordo (que rivaliza com alguns modelos do segmento acima) e para a excelente capacidade da mala de 235 litros, que podem ser aumentados com o rebatimento dos assentos traseiros.

Mitsubishi Space Star-6

Consumidor compulsivo

A versão testada apresenta o motor 1.2 MIVEC tricilíndrico com 80cv e 106Nm de binário máximo (o único disponível no mercado nacional) e verificou-se ser disponível e solicito, não comprometendo no trânsito normal do dia a dia. Apesar da marca anunciar 4,3 litros aos 100km, foi um valor que, em consumo misto, foi impossível de alcançar.

A caixa automática de variação continua (CVT) comporta-se condignamente, mas juntamente com a motorização disponível, este conjunto fez com que os valores de consumo anunciados disparassem (quase) para o dobro. O depósito de 35 litros rouba muita autonomia ao pequeno citadino, o que nos faz deslocar frequentemente aos postos de abastecimento.

Pesando apenas 865kg, apresenta uma facilidade condução citadina ainda maior – a grande tónica deste modelo – mas, em auto-estrada, poderá tornar-se incomodativo em condições mais ventosas.

Já disponível em Portugal, o novo Mitsubishi Space Star surge com um preço promocional de 11.350 euros (caixa manual de cinco velocidades) e de 13.600 euros (caixa CVT), ambos associados ao nível de equipamento Intense.

*Os dados apresentados na ficha técnica são os oficiais, disponibilizados pela marca.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Pub