Sonda lambda da Bosch celebram 40 anos

40 anos após o seu lançamento, as sondas lambda continuam a ser um elemento chave para garantir um funcionamento limpo e eficiente dos motores de combustão.

Para que serve a sonda lambda? A sonda lambda serve para medir a composição dos gases resultantes da combustão do motor no sistema de escape. Esta tecnologia permitiu, pela primeira vez, a regulação da dosagem exata da quantidade de combustível injetado através da informação fornecida à centralina, e garantiu, desta forma, uma melhoria significativa na eficiência do motor. Nos motores de combustão, tanto a poupança de combustível como o tratamento dos gases do escape, não seriam possíveis sem a presença dos atuais sensores lambda.

VER TAMBÉM: “I feel it in my toe”: Bosch inventa acelerador com vibrador

Desde a sua origem que os números de produção e procura das sondas lambda da Bosch mostram um aumento significativo. Em quatro décadas, foram produzidas mil milhões de sensores desta fabricante.

A Volvo foi a primeira marca a contribuir para a história de sucesso desta sonda. O Volvo 240/260 foi o primeiro veículo de turismo a equipar de série uma sonda lambda da marca alemã, estabelecendo-se como padrão para o mercado norte-americano. Até lá, a regulamentação das emissões nos Estados Unidos eram relativamente rígidas: por vezes, os valores de emissão eram muito mais baixos do que os legalmente permitidos graças ao controlo preciso da sonda lambda.

A  NÃO PERDER: Mercedes-Benz quer filtros de partículas nas motorizações a gasolina

Hoje em dia, por razões técnicas, cada vez mais carros com motor a gasolina utilizam os sensores lambda no sistema escape. A tendência é que a utilização das sondas seja cada vez mais imprescindível, na medida em que os limites legais para as emissões de veículos de combustão com novas matrículas são cada vez mais restritivos.

No caso de uma sonda lambda com defeito, os condutores devem substitui-la tão breve quanto possível e deverá ser avaliada a cada 30.000km. Sem uma correta medição a combustão perde eficácia e aumenta o consumo de combustível. Para além disso, uma sonda defeituosa provocará danos no catalisador, levando a que o veículo não cumpra as normas para as emissões de gases e, desta forma, não reunirá as condições suficientes para passar em inspeções técnicas, para além de contaminar (mais) o ambiente, e levará a irregularidades noutros componentes da gestão do motor.

Neste momento, a Bosch atua como o principal fornecedor tanto de equipamento original, como de pelas de reposição para oficinas – incluindo a sonda lambda, adequada para quase todos os veículos equipados com motor de combustão interna. Líder mundial do mercado de reposição de peças, só na Europa detém 85% de quota de mercado.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Pub