Volkswagen Corrado: recordar um ícone germânico

A produção do Volkswagen Corrado terminou há 20 anos atrás, mas isso não é razão para nos esquecermos de um dos modelos mais icónicos da marca alemã.

O primeiro Corrado saiu das linhas de produção de Osnabrück, na Alemanha, em 1988. Baseado na plataforma A2 do Grupo Volkswagen, a mesma do Volkswagen Golf Mk2 e do Seat Toledo, o Corrado apresentava-se como um sucessor do Volkswagen Scirocco.

O design do desportivo alemão, marcado por contornos longilineos, ficou a cargo de Herbert Schäfe, o designer-chefe da marca de Wolfsburgo entre 1972 e 1993. Apesar de prático e minimalista, o habitáculo não era exactamente espaçoso, mas como podem imaginar este também não era propriamente um carro familiar.

No exterior, uma das particularidade do Corrado é o facto de o spoiler traseiro se erguer automaticamente a velocidades superiores a 80 km/h (embora possa ser controlado manualmente). De facto, este coupé de 3 portas era a combinação ideal entre a performance e o estilo desportivo.

VEJAM TAMBÉM: 15 anúncios de automóveis simplesmente geniais

Volkswagen-Corrado-G60-1988

Desde o início que o Volkswagen Corrado adoptou o sistema de tracção dianteira, mas nem por isso era um carro aborrecido, antes pelo contrário – desde que optássemos pela transmissão manual de 5 velocidades em vez da transmissão automática de 4 velocidades.

O Corrado estreou-se no mercado com duas motorizações distintas: um motor 1.8 de 16 válvulas com uma potência de 136 cv e um motor 1.8 de 8 válvulas que debitava 160 cv, ambos a gasolina. Este último bloco foi mais tarde denominado por G60, devido ao facto de os contornos do compressor se assemelharem com a letra “G”. As acelerações dos 0 aos 100 km/h cumpriam-se nuns “modestos” 8.9 segundos.

RELACIONADO: 40 anos do Golf GTI celebrados no Autódromo de Portimão

Depois das propostas iniciais, a Volkswagen produziu dois modelos especiais: o G60 Jet, exclusivo para o mercado alemão, e o Corrado 16VG60. Mais tarde, já em 1992, a marca alemã lançou um motor atmosférico 2.0, uma melhoria em relação ao bloco 1.8.

Mas o motor mais desejado acabou por ser o bloco 2.9 VR6 de 12 válvulas, lançado em 1992, cuja versão para o mercado europeu debitava à volta de 190 cv de potência. Embora fosse um modelo com bastante mais “pedalada” que os anteriores, isso também se reflectia nos consumos.

A comercialização do Corrado foi esmorecendo até que terminou em 1995, concluindo assim sete anos de produção do coupé que marcou o início da década de 90. No total, saíram da fábrica de Osnabrück 97 521 unidades.

É verdade que não era o modelo mais potente, mas o Corrado G60 foi o que mais sucesso teve em Portugal. Contudo, os preços e consumos elevados não permitiram que o Corrado atingisse todo o seu potencial.

Apesar de tudo, este coupé foi considerado por várias publicações como um dos melhores e mais dinâmicos modelos da sua geração; segundo a revista Auto Express, é um dos carros da Volkswagen que mais beneficia a experiência de condução, figurando na lista “25 Cars You Must Drive Before You Die“.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Pub