A Fórmula 1 precisa de um Valentino Rossi

A Fórmula 1 está a passar por duas graves crises. A falta de espetacularidade dos monolugares e a ausência de um grande nome na grelha. A segunda talvez seja mais preocupante.

De tempos em tempos, a humanidade têm o privilégio de assistir à performance de atletas que são maiores que a própria modalidade. Atletas que arrastam legiões de fãs, que fazem os adeptos ficarem na ponta do sofá a roer as unhas, desde que o semáforo se apaga até à bandeirada de xadrez.

O Mundial de MotoGP tem um atleta assim: Valentino Rossi. A carreira do piloto italiano de 36 anos supera até a imaginação do melhor guionista de Hollywood. Como alguém dizia “a realidade supera sempre a imaginação, porque enquanto a imaginação é limitada pela capacidade humana, a realidade não conhece limites”. Valentino Rossi também não conhece limites…

A NÃO PERDER: Quando o desporto motorizado era dominado por ‘marialvas’

Com quase 20 anos de carreira mundialista, Rossi caminha a passos largos para a conquista do seu 10º título, arrastando consigo milhões de fãs e derrotando alguns dos melhores pilotos da história: Max Biaggi, Sete Gibernau, Casey Stoner, Jorge Lorenzo e este ano, seguramente, um fenómeno que dá pelo nome de Marc Marquez.

Sigo o Mundial de MotoGP desde 1999 e passados todos estes anos ainda fico impressionado com a projeção mediática de ‘il dottore’. O exemplo mais recente aconteceu em Goodwood (nas imagens), onde a presença do piloto italiano eclipsou todas as outras, inclusive a de pilotos de Fórmula 1. Algo ainda mais impressionante por estarmos a falar de um evento ligado ao automóvel. Havia bandeiras com o número 46 por todo o lado, camisolas amarelas, chapéus e todo o merchandising que possam imaginar.

Na Fórmula 1 não temos ninguém assim. Temos pilotos com um talento inquestionável e um palmarés invejável, como é o caso do Sebastian Vettel ou Fernando Alonso. Porém, a questão central não é o talento ou o nº de títulos mundiais. Veja-se o exemplo de Colin McRae, que não era o piloto mais dotado do Mundial de Ralis e no entanto conquistou uma legião de fãs em todo o mundo.

Trata-se de carisma. Colin McRae, tal como Valentino Rossi, Ayrton Senna ou James Hunt, são (ou foram…) pilotos carismáticos dentro e fora de pista. Por mais títulos que Sebastian Vettel conquiste, parece que ninguém lhe dá o devido valor. Falta-lhe qualquer coisa… ninguém olha para ele com o respeito com que se olha para um Michael Schumacher, por exemplo.

A Fórmula 1 precisa de alguém que nos volte a fazer ferver o sangue – não é por acaso que em 2006 a Scuderia Ferrari tentou levar Valentino Rossi para a Fórmula 1. Alguém que nos faça levantar do sofá. A geração dos meus pais teve o Ayrton Senna, a minha e as vindouras também precisa de alguém. Mas quem? Estrelas destas não nascem todos os dias – há quem diga que só nascem uma vez. Por isso devemos aproveitar enquanto o seu brilho dura.

A falta de espetacularidade dos monolugares resolve-se mudando os regulamentos. Infelizmente os grandes nomes não se criam por decreto.  E que bom deve ter sido puxar pelo Lauda ou pelo Ayrton Senna…

valentino Rossi goodwood 8
valentino Rossi goodwood 7
valentino Rossi goodwood 5

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

 

Pub