Novo Audi Q7: o senhor dos anéis

22/05/2015
2.483 views
Share Button

Esta semana fomos até à Suiça conhecer em primeira-mão o novo Audi Q7. Começa ser comercializado em Portugal já no próximo mês com um preço a partir de 88.190 euros.

No novo Audi Q7 os técnicos da marca recorreram a magia negra. Foi essa a sensação que tive ao conduzir o novo Audi Q7 pelas reviradas estradas dos Alpes Suíços. Com mais de 5 metros de comprimento (5.050mm) este SUV não desafia as leis da física mas… quase que as contorna.

A agilidade com que o novo SUV de Ingolstadt descreveu as curvas e contra-curvas, perto da localidade de Verbier, não é de um desportivo (óbvio…), mas também não é típica de um SUV com 7 lugares. Parece magia, daquela vinda da saga Senhor do Anéis. Salta de curva em curva com um à vontade assinalável. Os técnicos da marca presentes na apresentação garantiram-me que se tratava apenas de tecnologia de ponta, não houve poções mágicas à mistura.

Durante dois dias, tentaram convencer-me disso com recurso a diagramas e infografias: “(…)veja Guilherme, fizemos isto aquilo… não é bruxedo, que disparate!”. Com um inglês regado a pronuncia alemã, atribuíram os méritos à nova plataforma MLB – desta plataforma vão nascer os próximos A4, A6 e A8 – que perdeu 325 quilogramas. O que é uma grande redução – 71 quilogramas foram tirados da carroçaria e mais de 100 quilogramas saíram do chassis.

Redução de peso que se estendeu à suspensão traseira (45kg mais leve) que agora conta com sistema de rodas direcionáveis (opcional).

Q7_Arablau_018

Se dinamicamente convenceu, no campo do conforto a mesma coisa. Fosse qual fosse o modo seleccionado no Audi Drive Select oferecido de série (Confort, Sport, Eficiente, Normal ou Individual), o conforto foi sempre a nota dominante – ainda que o teste de fogo esteja reservado para aquela ‘manta de retalhos’ que teimamos em apelidar de estradas nacionais.

Interior: Shall We Dance?

Depois da referência à saga Senhor do Anéis, achei por bem continuar com as analogias relacionadas com a sétima arte. Conhecem o filme Shall we Dance, protagonizado pela Jennifer Lopez e pelo Richard Gere? Pois bem, podia ter sido rodado no interior do novo Audi Q7, quase dá para dançar. Há espaço para sete passageiros, e com os bancos rebatidos a capacidade da bagageira quase dá para acomodar o Senado Galáctico do Star Wars (1955 litros de capacidade).

O requinte e o rigor de construção fazem inveja às cenas mais luxuriantes de 007 Casino Royale, e são rematadas por um toque tecnológico de Tron, graças a presença de luzes LED por todo o habitáculo. O sistema Audi Virtual Cockpit (opcional) que já conhecemos do TT e do novo R8 volta a marcar presença, substituído totalmente os mostradores analógicos.

No topo da consola central encontramos o ecrã do sistema MMI, que tem o dom de limpar uma grande parte dos botões do habitáculo. No geral, do ponto de vista estilístico, o interior do novo Audi Q7 talvez seja o ponto mais alto do modelo. Já a posição de condução não merece qualquer reparo. Em suma, é aquilo que se espera de um SUV com um preço superior a 80.000 euros, ou seja: é à prova de falhas, defeitos e críticas.

Tecnologia: ajudas à condução em destaque

O novo Audi Q7 estreia um conjunto de ajudas à condução que impressionam. Algures no interior do Q7 há vários sensores e processadores a trabalhar para evitar os erros que costumam ter lugar naquela peça situada entre o volante e o banco: nós.

Até 60km/h é possível ativar o modo de condução semi-autónoma. Aquelas filas enormes para o trabalho? Aproveitem e relaxem um pouco, o sistema controla a direção, aceleração e travagem. Um pouco à imagem do filme protagonizado por Will Smith, o ‘Eu, Robot’, onde o ator americano deixava-se conduzir por uma espécie de Audi R8 sem rodas.

Q7_Tofanaweiss_009

Mas as ajudas estendem-se a outros campos. O sistema consegue detectar a presença de peões e travar sozinho para evitar atropelamentos, podendo fazê-lo também para evitar colisões nas mais diversas situações. Imaginem que querem atravessar um cruzamento e não detetam um carro no sentido oposto, o Audi Q7 consegue determinar sozinho se é ou não seguro avançar e trava, caso a colisão seja eminente.

As ajudas ao estacionamento também marcam presença, naquele que é eventualmente o sistema mais avançado que já testámos. Estaciona de todas as formas, desde que haja espaço. Mais. Num SUV com mais de 5 metros de comprimento, sair de marcha-atrás de um estacionamento é complicado devido à fraca visibilidade para a via. O Audi Q7 alerta caso venha algum carro em algum dos sentidos.

Q7_Daytonagrau_033

O cruise-control é capaz de ler sinais de trânsito e adaptar a velocidade aos limites estabelecidos pela sinalética, é ainda capaz de abrandar quando detecta a aproximação a um cruzamento. O melhor de tudo isto é que todos estes sistemas funcionam de forma autónoma, não exigindo qualquer intervenção da nossa parte. Quando precisamos eles estão lá.

Motorizações: Duas fórmulas diferentes para resultados semelhantes

O novo Audi Q7 será lançado com duas motorizações, um 3.0 V6 TDI de 272 cavalos e 600Nm de binário capaz de ir dos 0 aos 100km\h em 6,3 segundos, e um 3.0 TFSI de 333 cavalos e 440 Nm de binário capaz de médias de ir dos 0 aos 100km\h em 6,1 segundos. Ambos acoplados a uma caixa automática de 8 velocidades fornecida pela ZF. Em estrada, as duas motorizações primam pela rapidez e suavidade.

Relativamente a consumos, não foi possível retirar conclusões definitivas. Mas fiquei com a sensação que será possível alcançar consumos próximos dos 9 l/100km com a motorização 3.0 TDI em condições de utilização diária.

Q7_Daytonagrau_026Mais adiante surgirá a versão Ultra do mesmo 3.0 TDI (com 218 cavalos e 500 Nm de binário), e no início de 2016 chega o Q7 E-tron Quattro híbrido plug-in com 373 cavalos e 700 Nm de binário. Combina o V6 TDI de 3.0 litros acoplado a um motor eléctrico integrado na caixa de velocidades alimentado por uma bateria de lítio de 17.3 kW. Potência combinada de 368 cavalos e 700Nm de binário, é capaz de fazer 56 quilómetros em modo 100% eléctrico e de ir dos 0 aos 100km\h em 6 segundos.

Primeiras conclusões

O caderno de encargos estabelecido pela Audi foi exigente, mas os engenheiros cumpriram aquilo a que se propuseram. O novo Audi Q7 está mais leve, eficiente, confortável e tecnológico. A concorrência vai ter aqui um ‘osso duro de roer’, assim que as primeiras unidades começarem a ser comercializadas no mês de Junho.

O preço do novo Audi Q7 começa nos 88.190€, ao qual devem somar mais 6.000€ para o Pack TECHNO que inclui o pacote de assistência em cidade; sistema de navegação MMI Plus; Audi Virtual Cockpit; Confort Key com alarme; ar condicionado automático de 4 zonas; e fecho assistido das portas. Extras que fazem toda a diferença a bordo do maior dos SUV’s produzidos pela Audi.

Galeria de imagens:

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Tags
,

Diretor Editorial e co-fundador da Razão Automóvel. Tem 29 anos, ama os automóveis mas tem uma paixão secreta: as duas rodas! Praticante de todo-o-terreno, iniciou-se nas lides da condução aos comandos de um Citroen Ax. Não resiste a umas boas curvas, seja no asfalto ou numa folha de papel.