Seat Ibiza Cupra SC 180cv: nem tudo são números…

Mas tal como em mim, também no Seat Ibiza Cupra já se começa a sentir o peso dos anos. Por exemplo, o GPS não esta integrado no tablier, e apesar do rigor de construção estar em bom plano, alguns detalhes e materiais clamam por reforma. A concorrência recente faz melhor.

Mas se há campo onde o Cupra mantém o vigor da juventude é na… perfomance e nas sensações! Cheguei a agradecer a débil insonorização do Ibiza Cupra. Não percebi se por demérito do habitáculo ou por mérito do escape, mas o motor faz-se ouvir com vontade das 3.500rpm em diante – é engraçado com um defeito se pode tornar numa virtude no carro certo…

O comportamento do chassi acompanha a orquestra punk do motor. É rigoroso e previsível, tornando o Cupra muito gratificante de explorar no limites. Senti a falta de um diferencial autoblocante para lidar com a força do motor nas curvas mais lentas, mas de resto… diversão assegurada. Além do mais, para refrear os ânimos e acudir nos momentos mais delicados, temos o ESP sempre presente, que não dá para desligar na totalidade mas que até é comedido nas intervenções.

Seat Ibiza Cupra-4

Acabei este teste revigorado. Dei por mim a fazer algumas brincadeiras que já não fazia há anos. Para quem pretende um desportivo acessível, que garanta níveis de adrenalina satisfatórios sem menosprezar o lado prático, o Seat Ibiza Cupra é uma excelente proposta a um valor convidativo: desde 22.810 euros. Anda (muito!) bem, e não nos exige dotes sobrenaturais para retirar da condução em modo guerra à borracha aquela satisfação que só um chassi justinho, leve e atrevido pode dar.

Não será certamente o mais rápido do segmento, mas também não é o mais caro. Num modelo que tem tudo de emocional, acaba por ser uma proposta que apela à racionalidade. Uma dualidade engraçada, ou não fosse o Ibiza Cupra um espanhol com influências alemãs.

Agradecimento: KIP

Não deixem de nos seguir no Facebook e Instagram

Pub