Hyundai Tucson recupera nome e renova ataque aos SUV compactos

27/02/2015
8.566 views
Share Button

O Hyundai Tucson substitui o ix35, recuperando o nome da proposta original que marcou a entrada da Hyundai no segmento dos SUV compactos em 2004.

O segmento dos SUV compactos está efervescente. Na Europa, contrariando a queda de vendas expressiva que se iniciou com a crise em 2008, resultando em menos quatro milhões de unidades vendidas por ano em 2013, os SUV compactos duplicaram o número de vendas. Do meio milhão de unidades ultrapassados em 2007 para 1 milhão em 2014. E em 2015 o ritmo não parece abrandar.

VEJAM TAMBÉM: O Exobaby é o fato da Hyundai para os bebés do futuro

hyundai-tucson-2015-4

A importância deste segmento é vital para a Hyundai, com o ix35 a representar mais de 20% das vendas totais da marca na Europa. Em 2014, o ix35 teve o seu melhor ano de sempre, superando as 90 mil unidades vendidas. Foi o quarto modelo mais vendido do segmento, com um inalcançável Nissan Qashqai a liderar, seguido do Volkswagen Tiguan e do Kia Sportage, modelo com o qual o ix35 partilha plataforma e mecânica. Com novos e potencialmente disruptivos concorrentes a chegar ao mercado como o Renault Kadjar, o sucessor do ix35 é de importância crítica.

A primeira novidade passa mesmo pelo nome. A Hyundai recupera o nome Tucson na Europa, alinhando a sua denominação com os restantes mercados onde o modelo é comercializado.

Assente numa nova plataforma, que será partilhada com o sucessor do Kia Sportage, o novo Hyundai Tucson cresce ligeiramente em todas as direcções, excepto em altura. O comprimento é de 4.47m, a largura 1.85m, e a altura regride 2cm, ficando-se pelos 1.64m. A distância entre-eixos alonga-se em 3cm até aos 2.67m. O aumento de dimensões e um packaging mais eficaz, permitem ganhar espaço para os ocupantes. O único dado disponibilizado até agora é a capacidade da bagageira – 513 litros – que a eleva a uma das maiores do segmento.

hyundai-tucson-2015-2

Não deixe de nos seguir no Facebook

O encanto pelos automóveis empurraram-o para o mundo do design, com a enebriante possibilidade de poder vir a criar estas «criaturas» rolantes . Quando lhe colocaram um volante nas mãos, Fernando Gomes apercebeu-se ainda mais da complexa relação entre o homem e a máquina. Está definitivamente «agarrado»...