Ford Transit Supervan 3: para merceeiros apressados (PARTE 3)

Depois da parte 1 e da parte 2, apresentamos a Ford Transit SuperVan 3, um furgão que facilmente colocaria um sorriso na cara de qualquer comerciante.

Há dois tipos de veículos que nos fazem revirar os olhos em agonia: monovolumes familiares e furgões. Os monovolumes porque fazem desaparecer qualquer resquício de esperança de se vir a ter um super-desportivo italiano de 400 cv; os furgões porque são o veículo mais prático de sempre, no mau sentido. O espaço é dedicado a ele próprio, não dando lugar a motores grandes, bancos com bons apoios laterais, ou qualquer outro tipo de equipamento que nos faça sentir que o objetivo é guiar. Nada disso, o objetivo é transportar coisas.

Com estes factos em mente, alguns dos construtores automóveis tiveram algum tipo de necessidade de produzir uma, e apenas uma, unidade mais apimentada dos tais atentados à luxúria automobilística. A Renault, por exemplo, mostrou ao mundo a sua loucura quando em 1995 apresentou um protótipo da Espace, equipado com um motor central de um Fórmula 1. A Ford teve também alguns abençoados devaneios. Tudo começou quando colocaram o motor de um GT40 na Transit MK1. O pináculo aconteceu quando colocaram um motor de Fórmula 1 Cosworth HB na Transit MK3.

É necessário confessar que, na realidade, a única coisa que sobrou da Ford Transit foi a imagem, sendo que nesta Ford Transit Supervan 3 o chassi era o mesmo que o utilizado no Ford C100, um carro de competição de 1981, e a carroçaria à escala 7:8 da original. O motor Cosworth HB V8 de 3.5l corta a rotação às 13 800 rpm e desenvolve qualquer coisa como 650 cv, que aliados aos 890 kg do furgão, eram mais do que suficientes para qualquer entrega express ao domicílio.

Numa das «mecas» automóveis, o Festival de Velocidade de Goodwood, a Ford Transit SuperVan 3 fez uma veloz aparição, onde mostra todo o seu contra-senso sonoro, mecânico e visual. Fiquem com o vídeo:

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Pub