Epidemia nacional: os azelhas da faixa do meio

17/08/2014
83.294 views
Share Button

Há uma praga que assola as estradas nacionais. Uma praga que não escolhe idades, géneros ou condição social. Gosto de chamar-lhes: os azelhas da faixa do meio.

Diz-se que tendencialmente o eleitorado português é de centro-esquerda. Não sei se é por convicção política, mas essa preferência parece estender-se também à condução. As estradas portuguesas estão pejadas de automobilistas que simplesmente ignoram a faixa da direita. Será complexo político? “Ai que horror, mas que faixa tão «fascista»”.

São milhares de quilómetros de asfalto quase virgem, ali mesmo ao lado, ignorados pela esmagadora maioria dos condutores. Se quiséssemos continuar no campo político, poderíamos argumentar que a construção da terceira faixa de rodagem é um vergonhoso exemplo de despesismo público. Milhões de euros deitados ao lixo que dos quais ninguém – ou quase ninguém…- usufrui.

Mas como o mal já está feito podíamos fazer uma petição pública – estão muito em voga… – e propor à Assembleia da República que as faixas da direita fossem transformadas em ciclo-vias. Lisboa-Porto de bicicleta a pedal, quem é que alinha?

conduzir circular na faixa do meio central 3

Era bonito, não era? Nem por isso, a faixa da direita faz-nos falta. Muita falta mesmo. E é preciso que essa praga de condutores que deliberadamente circulam apenas no bloco central – perdão, faixa central – entendam isso a bem da segurança de todos. Engraçado como até os comentadores políticos apelam ao bloco central pela estabilidade e segurança do país. Mais uma vez a política e a segurança rodoviária vêem os seus caminhos cruzados.

“chamo-lhes os «azelhas da faixa central». Pensando melhor, «tampões de lata» também serve. Pelos motivos óbvios e em referência àquele objecto. Sim, aquele objecto…”

Quantos de nós já não teve de sair da faixa da direita, ir à faixa do meio e finalmente passar para a faixa da esquerda, apenas para consumar uma ultrapassagem? Todos. E tudo porque há uns indivíduos que por algum motivo (desconheço qual) acham que a faixa do meio é que é boa e que as outras são lava. Lembram-se quando éramos miúdos? “O chão é lava, quem pisar a lava morre”. Parece que fazem o mesmo na estrada, com a diferença que a estrada não é local para brincadeiras.

Ou será que conduzir na faixa do meio é moda? Se não é parece. Ali vão eles, devagar, orgulhosos, como se nada fosse, com mais uma faixa à direita completamente livre. Eu que até nem sou de dar nomes às coisas, atribui-lhes um nome. Na falta de melhor nome, chamo-lhes os «azelhas da faixa do meio». Pensando melhor, «tampões de lata» também serve, pelos motivos óbvios e em referência àquele objecto. Sim, aquele objecto…

RELACIONADO: Os automóveis modernos parecem a minha sogra

Este tipo de condutores são uma epidemia nacional, e por isso desafio-vos a partilhar este artigo. Pode ser que consigamos converter alguns à maravilha que é circular descansados na faixa da direita sem ter de controlar o trânsito pelos dois espelhos laterais. Quero acreditar que todos os automobilistas conhecem o Código da Estrada, mas caso não conheçam, aqui fica excerto do diploma onde o «braço da lei» contribui para a nossa nobre causa (cliquem na imagem para aceder à versão completa do Código da Estrada):

circular na faixa do meio

Espero com este texto, contribuir humildemente para a convivência e paz social de todos os indivíduos que compõem a sociedade rolante. Mais um capítulo da minha jornada, onde tento evangelizar os condutores nacionais para as boas práticas ao volante. Logo eu, que nem sirvo de exemplo. Mas já dizia o adágio popular “bem prega Frei Tomás, faz o que ele diz, não faças o que ele faz…”.

Diretor Editorial e co-fundador da Razão Automóvel. Tem 29 anos, ama os automóveis mas tem uma paixão secreta: as duas rodas! Praticante de todo-o-terreno, iniciou-se nas lides da condução aos comandos de um Citroen Ax. Não resiste a umas boas curvas, seja no asfalto ou numa folha de papel.

  • Nyx

    Ontem ao voltar do fim de semana prolongada tive tantos mini ataques de nervos graças a essas malfadadas personagens…
    Obrigada pelo artigo!

  • Vasco Brandão

    Pois eu acho que quem escreveu este artigo acima nunca andou nas auto estradas portuguesas, 1 os pesados de transportes que não podem ultrapassar os 90 km andam sempre na faixa da direita, 2 deixam o alcatrão , todo degradado experimentem circular a 120 na faixa da direita,3º quantas vezes nas entradas e saidas das autoestadas e vias rapidas temos de abrandar porque não sabem sair ou entrar das vias rapidas ou autoestradas quantas travagens bruscas temos de fazer! Desafio fazerem Lisboa Porto ou vice versa a 120 KM sem terem que parar ou acelerar por causa de um outro veiculo que circule na faixa da direita acredite não é a viagem mais confortavel do mundo mas ja se for na 2 faixa da direita é a mais confortavel não deve fazer muitos KM em Portugal! para se comparar comigo tem de fazer 2000km por semana durante 10 anos

  • Vasco Brandão

    Há já me esquecia… Há 10 anos quem publicou não tinha carta de condução

  • Alfredo Santos

    Existe uma outra praga nas estradas nacionais, que cohabita em perfeita comunhão com esta, que são os azelhas evangelizadores, que entre outras coisas não destinguem a circulação em auto-estrada e estrada nacional, com a circulação dentro de localidades, ignoram de todo como circular e apróximar de uma rotunda mas não perdem uma oportunidade de por gestos, insultos vociferados do interior da sua viatura, manóbras perigosas como tangentes e ultrapassagens pela esquerda seguidas de travagem brusca de demonstrar aos outros condutores como eles sim são um prodigio da condução…

  • Hugo Filipe Mendes

    O problema é que depois de estares na faixa da direita se quiseres ultrapassar ninguém te deixa meter na faixa da esquerda, porque vai tudo em excesso de velocidade.

  • Luis

    Bom dia. Concordo em tudo com o que foi dito, excepto com o uso do termo “faixa da direita” e “faixa central”. É um erro cometido constantemente. O termo correto seria “via da direita” ou “via central” Faixa de rodagem é o nome dado a todo o pedaço de estrada onde possa haver a circulação dos automóveis.

  • Sergio

    Se até a própria policia dá o exemplo como querem que os outros cidadão não o façam também. Vi na A8 duas carrinhas do corpo de intervenção da policia circulavam pela faixa do meio e sempre a mais de 150km hora, não, não iam em marcha de urgência.

  • Sandra Mendes

    Sr. Guilherme,
    sendo o senhor um praticante de TT e “curvador” do asfalto, engano-me com toda a certeza se penso que utiliza unicamente a faixa da direita…pessoas como o senhor são utilizadores natos da faixa da esquerda, esquecendo inclusive o limite da velocidade. Não me considero “azelha da faixa central” como o senhor intitula e até me considero uma boa condutora, mas gosto de utilizar a faixa do meio, tal como o sr gosta da faixa da esquerda…se existem, é para serem utilizadas. Deixe-me dizer-lhe que se há razões para os utilizadores da faixa da esquerda utilizarem a mesma, que o sr tão bem conhece e existem também razões para o gosto da utilização da faixa do meio. Se não fossem para utilizar, não teriam sido construídas…digo eu!!
    – pontos de vista-

    • jaquim

      o código da estrada diz… a não ser que tenha comprado a carta no super mercado. .. que é obrigatório circular na faixa mais à direita…

  • Rita

    Existem, também, os azelhas da direita nas rotundas, esses que devem ter medo de circular aconchegados!

  • Rita

    Existem, também, os azelhas da direita na rotunda, os que não gostam de circular “aconchegados” ou que simplesmente têm preguiça de rodar o volante!

  • Antonio Maranhao

    Outra coisa que me irrita para além de quem anda a pastar no meio é não usarem a correcta distinção entre faixa de rodagem e via de circulação, portanto irritam-me os azelhas da via do meio.

  • basdqwe

    Estradas com três faixas? O pessoal da capital está em todo o lado, é na internet e no Algarve e só sabem é reclamar.

  • Artur Oliveira

    Não me incomodam nada … a faixa da direita está sempre livre e uso-a bastantes vezes. Como por norma quando à faixa do meio há no mínimo 3 faixas o que significa que há traços descontinuos pelo que passar pela direita não é infracção. Ou é ?

  • Eduardo

    Era a Policia cumprir o seu papel e multar esse pessoal? Mas não, eu vejo disso e vejo gente de telemóvel ao ouvido!

  • Dom Quixote II

    Estes não lhes acontece nada , a polícia anda ocupada na caça à multa ESCONDIDOS VERGONHOSAMENTE COMO COBARDES . Estes não andam !!!!!

  • Dom Quixote II

    Estes não lhes acontece nada , a polícia anda ocupada na caça à multa ESCONDIDOS VERGONHOSAMENTE . Estes não andam !!!!!

  • Fernando Nogueira

    Concordo a 1000%!!!
    Especialmente para quem faz A1 Porto-Lisboa todas as semanas, é de extrema sensibilidade este tema!

  • Dom Quixote II

    com a cultura portuga burra não vamos a lado nenhum .

  • josdoutor

    É realmente uma praga, mas também há outros que insistem em não largar a faixa da esquerda porque se acham que estão acima da lei ou porque, gozando da brandura das nossas autoridades, acham que as potentes viaturas que conduzem não podem ser conduzidas com civismo, e esses sim são um perigo mortal.
    A 2ª Circular em Lisboa, é um exemplo onde se deve usar a faixa da direita apenas para entrar ou sair, (via de sevicios, como chamam os espanhóis) caso contrário complica-se a vida a quem pretende entrar e ganhar velocidade para ocupar a via. E embora não seja correto, desde que se circule na velocidade máxima permitida numa estrada, na maioria dos países do mundo pode-se escolher qualquer faixa, visto que teoricamente ninguém nos pode ultrapassar. Queria ver muitos dos que aplaudem este artigo a conduzirem numa autoestrada americana com 12 faixas, onde a velocidade máxima é 65 milhas (110 Km/h) vigiadas por radares a sério e patrulhadas por helicóptero.

  • roadhouse

    “Quantos de nós já não teve de sair da faixa da direita, ir à faixa central e finalmente passar para a faixa da esquerda, apenas para consumar uma ultrapassagem?” – Isto só prova a ignorância de quem faz este tipo de manobras. Se quem vai na faixa da direita quiser passar alguém que vai na faixa central. só tem de se manter na sua faixa. Isso não é considerado ultrapassagem. Já para não falar de que.. Desde quando “Petrol Heads” como o autor, são fonte digna de comentários sobre civismo na estrada?
    A única coisa que lhes interessa é que toda a gente ande pela direita ou mesmo na berma para terem espaço. Devem ser filhos únicos que não tiveram oportunidade de aprender a partilhar.
    Até porque por essa ordem de ideias. não havia necessidade de estradas com mais de 2 faixas. Uma pra andar e outra para ultrapassar. Se todos temos de andar na direita e temos… Ou vamos pra do meio quando já não se cabe na da direita? Tudo isto é um pouco falacioso e depende da situação, agora os “anormais da esquerda” como também me apetece apelidar, são mais praga epidémica, e causadora de mais acidentes do que qualquer outra fauna que ande pelas restantes vias.
    Queres uma faixa só pra ti? Aluga uma pista e dá lá umas voltas. Ou compra uma mota e andas pela berma. ficas com ela só pra ti!

    • Micah Martins

      Não é considerado ultrapassagem, em vias de circulação com duas ou mais vias de trânsito no mesmo sentido, o facto dum veículo circular numa via de trânsito mais
      rapidamente do que os veículos que circulam noutra dentro das localidades ou quando, devido à intensidade da circulação, o trânsito ocupa toda a largura da faixa de rodagem e
      o mesmo se processa em fila, ou seja, quando a marcha de um veículo está dependente da marcha dos veículos que o precedem.

      Em autoestrada ou numa via de circulação fora das localidades, em que haja duas ou mais vias de trânsito no mesmo sentido, circular mais rapidamente na via de trânsito da
      direita é considerada ultrapassagem e, por conseguinte, proibida, exceto se o trânsito ocupar toda a largura da faixa de rodagem e a marcha do veículo esteja dependente da
      marcha dos veículos que o precedem.

      Portanto se for AE, é.
      http://www.imtt.pt/sites/IMTT/Portugues/EnsinoConducao/ManuaisEnsinoConducao/Documents/Fichas/ <- not lying =X

  • Dom Quixote II

    1 comentário e muito educativo pois o autor é que é um mestre portuga ….

  • Joao Lopes

    O código de estrada não é o melhor, eu sou um azelha do meio, só e exclusivamente porque acho que a da direita deverá ser para as entradas e saídas, a central para quem sabe onde vai e onde tem de sair com antecedência e vai dentro do limite de velocidade nas vias rápidas e autoestradas, e a da esquerda para os que violam o código de estrada com excesso de velocidade. Se vou na da direita é porque os querem entrar não andam nem desandam, os que querem sair ,lembram-se em cima da saída e passam da esquerda para a direita ,passam os contínuos e o mesmo se passa com os que entram, e o pessoal do meio é que são os azelhas. Pensem bem,o pessoal do meio é que fazem bons consumos, não fazem grandes travagens, não desgastam tanto os pneus e travões como gastam o pessoal que passa da direita para a esquerda e vice versa. Aprendam a conduzir dentro dos limites de velocidade, e depois falamos se os azelhas são mesmo os do meio. Conduzir á direita nas vias rápidas e autoestradas( não tanto) é um stress. A minha vida é conduzir. Queres acelerar vai andar de karting ou vai para o autódromo. Serei o único a pensar assim?????