Mercedes Classe S W222 incendeia espontaneamente

Depois da Porsche com os problemas no 911 GT3, foi a vez da Mercedes ver um dos seus Classe S incendiar-se.

Um casal de reformados alemães, provenientes do estado da Renânia do Norte-Vestefália, viram a sua viagem interrompida de forma abrupta. Tudo aconteceu quando o Mercedes Classe S onde seguiam (com apenas duas semanas) começou a deitar fumo. Pouco depois, as chamas acabariam por tomar conta da dianteira do modelo de Estugarda.

sfire6

Para espanto dos proprietários – que desconheciam o que estava a acontecer – trabalhadores de uma empresa local foram em seu socorro na tentativa de minimizar os estragos. Só mais tarde apareceram 3 viaturas do corpo de bombeiros. Infelizmente era tarde para o recém estreado Mercedes Classe S, que com  apenas 2 semanas foi vítima de um incêndio que resultou em perda total. Contudo os ocupantes não sofreram qualquer ferimento.

A versão em causa crê-se que seja um Mercedes Classe S350 Bluetec. Embora o Classe S W222 ainda tenha pouco tempo de estrada, o mesmo não sucede com o bloco 350 Bluetec que já equipa modelos há mais tempo.

sfire1

Segundo diversos relatórios de consumidores, o bloco diesel 350 Bluetec tem-se pautado por ser de extrema fiabilidade na generalidade dos modelos. O único defeito comum apresentado em relatório pelos consumidores tem sido a indicação de baixo nível do líquido AD Blue, ou seja a composição de ureia que é injetada no Filtro de Partículas para controlar as emissões NOx. Situação que tem sido prontamente resolvida nos representantes Mercedes.

Ainda sem causas apuradas sobre o sucedido, esta é uma situação que não é novidade na Mercedes. Em 2011 nos Estados Unidos, os Mercedes Classe C produzidos entre 2008 e 2009 apresentaram problemas nos circuitos elétricos das óticas traseiras devido à excessiva impedância elétrica. Fenómeno que levava os cabos a atingirem altas temperaturas derretendo plásticos, uma situação que levou ao recall de 218 mil veículos devido a risco de incêndio.

Em 2011 e 2012, foi a vez dos modelos CL63 AMG, GLK350 e S500 voltarem aos representantes da Mercedes com cerca de 5800 veículos recolhidos devido a um defeito de fabrico na flange do filtro de combustível, o que por sua vez propiciava a fuga de combustível com potencial risco de incêndio.

Pub